Monthly Archives: abril 2021

5 Dicas Para Uma Boa Caminhada

Quer praticar uma boa caminhada? Fique atento às dicas para você aproveitar ao máximo os benefícios dessa atividade para sua saúde.

Caminhar é algo tão natural na vida que, muitas vezes, a sua real importância para a saúde passa despercebida.

O ato de movimentar-se é essencial para a manutenção dos nossos músculos, reduz o inchaço nas pernas e nos tornozelos, podendo inclusive, combater o estresse e a ansiedade presentes no dia a dia.

Além da locomoção, essa atividade fortifica o corpo com um todo, ajusta e regula o organismo deixando a mente em constante equilíbrio.

É um exercício que poder ser praticado por qualquer um, independentemente da idade e do condicionamento físico.

E ainda, com a vantagem de não necessitar de aparatos sofisticados, nem de muito investimento.

É ideal para pessoas sedentárias que queiram começar a fazer exercícios físicos.

Então, confira a seguir 5 dicas para uma boa caminhada!

 

Sugestões Para Uma Boa Caminhada

Fazer exercícios é muito bom para a saúde e para mente. Mas para aproveitar tudo de bom que uma atividade física oferece é muito importante seguir algumas orientações, evitando assim que o que seria um benefício transforme-se em um problema.

Listamos 5 dicas simples e úteis  para quem deseja começar a praticar uma boa caminhada.

 

1.º – Fazer Um Check-Up

 

Antes de iniciar qualquer atividade física, é necessária uma avaliação médica para afastar possíveis riscos à saúde.

O ideal, além do exame clínico convencional, é a realização de um eletrocardiograma de esforço para avaliar as condições cardiovasculares, o nível de tolerância ao exercício e a resposta eletrocardiográfica ao exercício.

Estando tudo em ordem no seu check-up, é só começar e aproveitar o melhor dessa atividade.

 

2.º – Tipo De Vestimenta

 

A roupa ideal vai depender muito do clima, quente, frio ou meia estação.

Em geral, procure usar roupas mais confortáveis e leves, cujo o tecido absorva a transpiração e barre a umidade exterior, deixando a pele seca.

Com relação ao calçado, para evitar possíveis torções, é recomendável usar um tênis confortável, leve e de preferência com algum tipo de amortecimento.

Sua pisada pode ser neutra, pronada ou supinada, sendo assim, você vai precisar de estruturas específicas.

calçado apropriado vai evitar lesões desagradáveis e ajudar o seu corpo a tirar o melhor proveito dessa atividade.

 

3.º – O Ritmo Ideal

 

Se você quer ser minimamente saudável não dá para tolerar o sedentarismo. O importante é se mexer.

Caminhar de 3 a 4 vezes na semana já faz uma grande diferença. Inicie em um ritmo mais lento, cerca de 30 minutos, respeitando os limites do seu corpo.

Vá aumentando a intensidade das passadas aos poucos sempre obedecendo o ritmo do seu organismo, até conseguir atingir a marca de 45 minutos mais vigorosos.

O seu corpo já se acostumou com esse tempo? Sente mais forte e confiante? Então está na hora de aumentar um pouco mais.

 

4.º – Alimentação

 

Não pratique exercícios em jejum, seja caminhada ou qual outra de atividade física.

Os alimentos devem ser de fácil digestão, contendo carboidratos, proteínas e líquidos, ingeridos cerca de 30 minutos antes do início da atividade.

Dê preferência às frutas, tome um suco ou, até mesmo, barrinhas de cereais para começar.

hidratação é extremamente importante antes, durante e depois da atividade física.

Deve-se tomar água à vontade, em abundância, e isso deve ser colocado em todos os momentos da prática esportiva.

Enfim, depois de concluir a atividade, é importante pensar na hidratação e na reposição rápida de carboidratos.

Esta etapa visa repor os estoques de energia que a pessoa perdeu durante a caminhada.

Além disso, vai ajudar na regeneração muscular pós-exercício. Uma sugestão bacana seria a água de coco.

 

5.º – Alongar-Se

 

Os exercícios de alongamento para caminhada devem ser feitos antes da caminhada, como aquecimento.

Isso, porque eles preparam os músculos e as articulações para o exercício e melhoram a circulação sanguínea.

Mas, eles também devem ser realizados logo depois da caminhada, para relaxamento.

Além disso, eles ajudam a retirar o excesso de ácido lático dos músculos, diminuindo a dor que pode surgir após o esforço físico.

Que bom que você chegou até aqui nesta leitura! Agora você já conhece mais 5 dicas para uma boa caminhada.

Então, que tal colocar em prática ainda e hoje e aproveitar o melhor dessa atividade física tão prazerosa e saudável?

FONTE: https://saudesporte.com.br/uma-boa-caminhada-com-5-dicas/

Como acostumar o cachorro a ficar sozinho novamente depois da quarentena?

Na hora de voltar à rotina normal, é importante levar em consideração como era o comportamento do cachorro antes do isolamento. Para os cães que já eram acostumados a ficar sozinhos e se comportavam bem, o processo é simples: basta seguir a rotina. No início eles até podem estranhar, mas naturalmente vão voltar aos hábitos normais e sem sofrimento. Já os animais que ficavam agitados ou tinham comportamentos destrutivos quando ficavam sozinhos em casa, precisam ser treinados – até mesmo para evitar o desenvolvimento de uma ansiedade de separação.

Max ensina um treinamento básico para isso: “É preciso fazer um processo de dissociação para ele aprender a ficar sozinho. A dica é deixar o animal em outro cômodo, fechar a porta e deixá-lo lá por alguns minutos. Depois permita que ele vá para o cômodo em que você está. O treinamento faz com que ele se sinta independente e que a situação não cause desconforto.” Você pode repetir o treino várias vezes nesse período em que estiver isolado em casa.

Segundo o adestrador, na hora que precisar sair de casa novamente, o animal precisa ficar confortável, bem alimentado e com pouca energia. Para isso, prepare um ambiente só pra ele, com cama, água fresca e brinquedos. Também é indispensável fazer longos passeios antes de deixá-lo sozinho, “Quanto mais cansado o cão estiver, menos problemas de comportamento ele vai ter”, garante Max.

Os treinos com o cachorro praticados desde já vão evitar episódios de estresse ou ansiedade de separação
Os treinos com o cachorro praticados desde já vão evitar episódios de estresse ou ansiedade de separação
Na volta à rotina, invista em longos passeios com o cachorro antes de sair de casa. Isso evita destruição!
Na volta à rotina, invista em longos passeios com o cachorro antes de sair de casa. Isso evita destruição! 

Como evitar que o cachorro destrua a casa quando ficar sozinho?

A melhor  forma de evitar que o seu cão destrua móveis e objetos quando estiver sozinho é deixá-lo em um espaço limitado – ou seja, sem acesso a todos os cômodos da casa, principalmente aqueles com itens mais “destrutíveis”, como camas, plantas e estofados. “Separe um cômodo ou parte da casa para deixar o cachorro sozinho no apartamento ou faça um canil, se você morar em uma casa com quintal. O animal não deve ficar acorrentado, mas deve ter um espaço só dele para que possa descansar”, explica Max.

Se você não tiver como deixar o cão isolado dentro de casa, satisfazer as necessidades do animal vai ajudar a mantê-lo mais calmo. É o que explica Max Pablo: “É importante fazer com que ele tenha suas necessidades saciadas. A primeira delas é passear com o cachorro para gastar sua energia. Cada cão vai ter um tempo diferente para cansar e não destruir os objetos. A outra é usar a alimentação como distração. Você pode congelar alimentos e colocar dentro de brinquedos, aí o cão vai se divertir e esquecer que tem outros objetos para morder.”

Em todos os casos, é fundamental investir no enriquecimento ambiental para que o animal fique distraído e não sinta tanto a sua falta. Brinquedos com garrafas pet, caixas de papelão, mordedores específicos para cães, bolinhas, brinquedos interativos… vale tudo!

Como evitar que o cachorro fique ansioso ou estressado depois da quarentena?

A mudança de rotina pode deixar o seu cachorro mais agitado que o normal. Como lidar com isso? “O básico para evitar que o cachorro fique estressado ou ansioso é unir três pilares: exercício, disciplina e afeto. Gaste bastante energia física e mental do animal, levando-o para passear. Exercite a obediência básica, treinando alguns comandos e o recompensando com comida ou objetos que ele goste. E, por último, dê bastante carinho no momento adequado”, finaliza Max. Essas três dicas são fundamentais não apenas no processo de adaptação quando a quarentena acabar, mas em toda a rotina do cachorro. Isso garante que o animal fique saudável e feliz no ambiente em que vive!

Redação: Gabrielle Nunes

A Importância da atividade física para a saúde

A prática de atividades físicas é fundamental para melhoria da qualidade de vida.

A combinação de dieta balanceada e rotina de exercícios físicos resultam em um organismo saudável e na prevenção de doenças.

Uma rotina de exercícios deve ser adotada por pessoas de todas as idades.

Quais os benefícios da atividade física para a saúde?

A lista de benefícios da atividade física para a saúde é grande e inclui inúmeros ganhos para o bom funcionamento do organismo:

  • Reduz o risco de doenças cardíacas, infartos e Acidente Vascular Cerebral (AVC);
  • Fortalecimento do sistema imunológico;
  • Melhoria da qualidade do sono;
  • Redução da gordura corporal e aumento da massa muscular;
  • Promove o bem-estar e melhoria da autoestima;
  • Contribui para manter o peso ideal;
  • Aumento da disposição e resistência física;
  • Regulação da pressão arterial e do nível de glicose no sangue;
  • Diminui o estresse;
  • Melhoria do tônus muscular, força, equilíbrio e flexibilidade;
  • Fortalecimento dos ossos e articulações.

Pessoas que não praticam nenhum tipo de atividade física são consideradas sedentárias e podem ter a sua saúde comprometida.

sedentarismo possui alta incidência na população, sendo considerado um problema de saúde pública. Estima-se que no Brasil 46% da população seja sedentária.

A falta de atividade física também contribui para a obesidade, que é o acúmulo de gordura corporal em excesso.

A obesidade aumenta o risco de doenças cardiovasculares como hipertensão e aterosclerose, diabetes, apneia do sono e risco de morte por doenças cardiovasculares.

Dicas de alimentação fácil, acessível e saudável durante a pandemia de Covid-19

Ideias para ajudar sua família a manter uma alimentação saudável

Casinha para cachorro: 3 dicas para criar um espaço para seu cão

Casinha para cachorro: 3 dicas para criar um espaço para seu cão

Quem tem um cão de estimação com certeza já pensou em fazer um espaço voltado para ele, dentro ou fora de casa. Além de um lugar para ele dormir ou descansar, a casinha para cachorro é muito importante para manter o bem estar do animal em um local que seja só dele.

Por isso, explicaremos a importância de contar com esse espaço e ainda algumas dicas para você montar o lugar perfeito para o seu cão, confira!

Importância de ter um espaço especial para o seu cão

A importância da casinha para o cachorro está principalmente em fatores como segurança, conforto, sentimento de proteção e até o cheiro. Esse lugar é feito exclusivamente para o cão e faz com que ele entenda que aquele espaço é só dele diminuir problemas de personalidade canina como a territorialidade excessiva por toda a casa.

Dica 1: Pense no material ideal para casinha do seu cachorro

O material de construção ideal diz mais respeito a estrutura da sua casa e a disponibilidade de espaço que você possui. Se a casinha do cachorro vai ficar em uma área externa, você pode optar por construir ou comprar uma casinha de madeira, tijolos ou concreto, materiais mais resistentes ao clima.

Agora, se o espaço do seu cachorro ficará na área interna da casa ou apartamento, o ideal é investir em casinhas feita de plástico, que podem ser mantidas limpas mais facilmente. O importante é que, independente do material, a casa esteja confortável para o cão.

O mais legal é que nas duas opções, você pode pensar em criar um espaço com grama sintética, que dura mais e é mais fácil de limpar. Além de ficar um ambiente lindo em sua casa!

Grama sintética para pets

Dica 2: Invista no conforto da casinha para cachorro

Como falamos anteriormente, um dos mais fatores mais importantes ao pensar na casinha para cachorro é investir no conforto dele. Busque por almofadas, caminhas e até cobertores que o cão possa se acomodar e descansar sempre que quiser.

Além disso, busque por camas e cobertores que você possa limpar facilmente, mantendo o espaço do seu pet sempre limpo. Assim, ele não pensará duas vezes antes de se acomodar lá, e não em outros lugares como nos móveis da casa ou até mesmo no quarto dos humanos.

Dica 3: Objetos essenciais no espaço para seu cão

Além da casinha e de uma cama para o conforto do seu cão, é importante que nesse espaço contenha objetos que ele possa brincar.

Coloque alguns brinquedos que ele gosta perto da casinha, assim como seu pote de água e comida, tudo para que ele entenda que aquele espaço é feito para ele. Contudo, perto não significa no mesmo lugar.

Os animais entendem que ambientes são classificados entre espaços e isso afeta no seu desenvolvimento. Ou seja: eles não dormem ao lado do seus banheiros ou se alimentam onde descansam. Demarque espaços na área do seu cachorro, assim como na sua casa que possui cômodos.

Agora, mãos à obra!

Você pode optar por construir você mesmo uma casinha para cachorro ou comprar pronta. O importante é compor um espaço para seu pet que ele possa ter mais liberdade para brincar e descansar que em outros lugares da casa.

O que achou dessas dicas? Comente com a gente como é o espaço do seu cão ou alguma outra dica que você usou para montá-lo

FONTE: https://www.playgrama.com.br/blog/decoracao/casinha-para-cachorro/

Dicas de higiene dos alimentos no surto de Covid-19

Embora atualmente não exista evidência de que alimentos ou embalagens de alimentos estejam associados à transmissão da Covid-19, pode ser possível que as pessoas sejam infectadas ao tocar em uma superfície ou objeto contaminado pelo vírus e depois em seu rosto. O risco mais alto, porém, vem de estar em contato próximo com outras pessoas durante as compras ou o recebimento de uma entrega de comida. Como sempre, uma boa higiene é importante ao manusear alimentos para evitar doenças transmitidas por alimentos.

Remova qualquer embalagem desnecessária e descarte-a em uma lixeira com tampa. Se a embalagem permitir, é bom lavar antes de guardar. A lavagem deve ser feita com água e detergente antes de a embalagem ser armazenada e aberta.

Lave as mãos com água e sabão por pelo menos 20 segundos ou use álcool em gel a 70% imediatamente depois.

Para frutas, verduras e legumes, é necessário lavar em água corrente e depois colocar de molho em solução clorada por 15 minutos e, ao final, lavar em água corrente. A solução clorada é composta de água e água sanitária própria para desinfecção. É importante olhar no rótulo do produto para saber a diluição que deve ser feita.

O molho em solução de vinagre não tem a mesma capacidade de eliminar os micro-organismos que podem contaminar legumes e verduras.


Dicas gerais de higiene
  • Lave bem as mãos com água e sabão por pelo menos 20 segundos antes de preparar qualquer alimento. Evitar tossir ou espirra sobre os alimentos.
  • Use tábuas separadas para preparar carne e peixe não cozidos.
  • Evite o consumo de carnes e ovos crus.
  • Sempre que possível, mantenha os itens perecíveis refrigerados ou congelados e preste atenção às datas de validade dos produtos.
  • Procure reciclar ou descartar resíduos e embalagens de alimentos de maneira apropriada evitando o acúmulo de lixo que pode atrair pragas.
  • Lave as mãos com água e sabão por pelo menos 20 segundos antes de comer e certifique-se de que suas crianças façam o mesmo.
  • Sempre use utensílios e pratos limpos.

Como organizar as plantas em jardins

Contar com uma área externa em casa é como ganhar na loteria, independente deste espaço ser grande ou pequeno. Varandas, jardins e terraços amplos oferecem mil possibilidades e podem abrigar diversas atividades, enquanto que os menores são limitados e exigem que os profissionais arquitetos façam uma verdadeira ginástica para aproveitar cada centímetro ao máximo. O importante é lembrar que tamanho não é documento e mesmo a menor sacada pode ser um ambiente de estar aconchegante e até dispor de um belo jardim.

Antes de começar a decorar a varanda, é importante levar em conta diversos aspectos. Em primeiro lugar, deve-se determinar que tipo de espaço deseja-se criar. Em seguida, verificar qual o mobiliário mais apropriado, levando em conta funcionalidade e estilo. E para complementar, decorar com plantas e flores é a melhor maneira de criar uma atmosfera acolhedora e envolvente. Portanto, hoje nós preparamos algumas dicas para te ajudar a organizar e otimizar o espaço da sua área externa para introduzir o maior número de plantas que for possível.

Vamos começar?

1. Aproveite as paredes

Pergolado Residência Paineiras Ambiento Arquitetura Jardins de inverno rústicos Madeira Efeito de madeira 

Ao falar em jardins, o mais comum é pensarmos em plantar espécies no solo. Porém, isso não é possível na maioria dos casos em terraços pequenos, sendo necessário buscar soluções criativas e diferentes. Pendurar vasos no teto é uma solução bastante usual para espaços internos e externos, mas hoje em dia os jardins verticais também têm ganhado espaço no paisagismo. Aproveitar as paredes é uma excelente maneira de organizar as plantas sem desperdiçar área útil.

2. Plante em vasos

Fontes com iluminação Eduardo Luppi Paisagismo Ltda. Jardins de inverno modernos 

Como já sugerimos anteriormente, quando não é possível aproveitar o solo para plantar e criar um jardim, deve-se buscar alternativas. Para tal, o melhor é deixar a vegetação em vasos, pois os mesmos podem ser deslocados a fim de encontrar o lugar mais apropriado para acomoda-los.

3. Construa um canteiro alto

PAISAGISMO: JARDINS DE INVERNO BY MC3 MC3 Arquitetura . Paisagismo . Interiores Jardins de inverno rústicos 

Outra ideia, é apostar em um jardim que circunde a área do terraço. Os canteiros altos são perfeitos já que também liberam o piso para outras funções. Além disso, suas paredes podem ser revestidas de forma decorativa, bem como vemos no caso deste projeto, onde as pastilhas dão um charme extra à área externa.

4. Planeje bem o espaço

Residência Cruz Arquitetura Ao Cubo LTDA Varandas, alpendres e terraços modernos 

O bom planejamento é um passo fundamental na construção de espaços pequenos. Afinal, esta é a única maneira de garantir que cada centímetro seja aproveitado e que todas as funções desejadas caibam em determinada área. A pequena varanda que vemos nesta imagem apresenta uma solução muito bem feita e calculada sob medida para acomodar uma área de estar com jardim. A vegetação foi plantada em um canteiro lateral protegido por um banco de madeira.

5. Aproveite o mobiliário

Refúgio em Plena Metrópole Eduardo Luppi Paisagismo Ltda. Varandas, alpendres e terraços ecléticos 

Em apartamentos, as sacadas servem como uma área de estar extra e é um dos lugares favoritos para convidar as visitas para um café da tarde durante o verão. Então, planejar bem o mobiliário é importante para garantir a funcionalidade de tal espaço. E quando trata-se das plantas e flores, pode-se aproveitar os móveis para acomodar os vasos e utiliza-los como decoração.

6. Crie um cantinho especial

homify Jardins rústicos 

Se o seu objetivo é chamar a atenção para as plantas, crie um espaço único e especial para as mesmas. Organizar os vasos em um canto de forma equilibrada e harmoniosa é o suficiente para conformar um ambiente atraente e convidativo. E para dar ainda mais ênfase, crie um desenho de piso para diferenciar o espaço de estar do jardim. Neste caso, os pedriscos remetem ao jardim, enquanto a madeira ao estar.

Casas inHAUS Casas modernas

7. Aposte no desenho do piso

Jardim romântico Lúcia Vale Interiores Jardins rústicos 

Este é mais um exemplo de como aproveitar o desenho do piso para organizar o jardim e criar ambientes diferentes mesmo dentro de uma área pequena.

8. Concentre a vegetação

Jardins Naturais Junia Lobo Paisagismo Varandas, alpendres e terraços campestres 

Enquanto em jardins grandes é possível espalhar a vegetação pelo espaço, os jardins pequenos apresentam possibilidades mais limitadas. Nestas horas, o melhor mesmo é assumir que as plantas devem ficar em um mesmo lugar e concentra-las em único espaço.

FONTE: https://www.homify.com.br/livros_de_ideias/4173149/8-dicas-de-como-organizar-as-plantas-em-jardins-pequenos-para-que-parecam-maiores

Cuidados ao Regar as Plantas: “Muita Água Pode Matar Sua Planta”

 

Quando se fala em regar as plantas logo vem a mente manter o solo sempre úmido. Mas é preciso tomar alguns pequenos cuidados.

Em primeiro lugar é bom saber que algumas plantas pedem mais regas que outras e, isto impacta no seu crescimento. É o caso, por exemplo, do lírio que aprecia as regas e, enquanto a orquídea a rega um copo de água americano semanalmente é o suficiente. Então fique atento senão está molhando sua planta demais ou de menos.

Outra dica é verificar a drenagem do vaso que você escolheu para sua planta. Devemos sempre optar por vasos com furos. Caso o vaso não tenha furos o ideal é fazê-lo manualmente para que a água escoe com facilidade.

Para ajudar a drenagem no vaso pode-se colocar pedras, ou argila estendida, ao fundo do vaso. Isto aumenta o contato do ar com a terra encharcada, facilitando a entrada de ar no substrato, fazendo com que o excesso de água escorra melhor.

Outra função das pedras e dos furos do vaso é que auxiliam na oxigenação das raízes. Muitas vezes a quantidade que entra por cima da terra não é suficiente. Então quando colocamos as pedras, o ar entra também por baixo, através do furo de drenagem.

Caso o vaso fique no interior de outro vaso (cachepô por exemplo) ou sobre um prato, cuide com o excesso de água que se acumula no “prato” ou vaso exterior. O excesso de água pode apodrecer ou trazer fungos para a raiz da planta.

Esperamos que tenha gostado das nossas dicas e suas plantas também, é claro! Se gostou compartilhe!

FONTE: https://www.ecovaso.com.br/cuidados-ao-regar-as-plantas-muita-agua-pode-matar-sua-planta/

Brincadeiras educativas para as crianças na quarentena

Que sugestões você pode dar aos pais de brincadeiras para substituir os eletrônicos e que sejam interessantes aos pequenos?

Se eu tivesse que dar um conselho aos pais tanto para crianças pequenas, quanto maiores nestes dias de quarentena, eu diria que faz muito bem a estas crianças começarem a brincar com as mesmas coisas que talvez pais e avós tenham brincado em sua infância. Aquelas que a gente chamava antigamente de “brincadeiras de rua”. Como pega-varetas, esconde-esconde, amarelinha, bolinha de gude, cinco marias, entre outras, que nós adultos já achamos muito divertidas no passado.

Bolinhas de gude - brincadeira antiga
Aquelas que a gente chamava de “brincadeiras de rua”ainda são ótimas sugestões de atividades para as crianças.

Dependendo do espaço dentro de casa, as brincadeiras vão incluir mais a coordenação motora fina do que motora global. Têm famílias que moram em apartamentos, então talvez ali não sejam possíveis movimentos tão grandes, mas a gente pode explorar muitas brincadeiras que desenvolvem o raciocínio e a habilidade motora da criança.

Sabendo que algumas brincadeiras não se aplicam a todas as idades, você poderia citar algumas atividades que os pais podem realizar, por faixa etária?

Então, vamos pensar em uma criança de educação infantil, para essas crianças as coisas maiores são mais fáceis para serem trabalhadas, manuseadas. Sem contar que é preciso levar em consideração que até os três anos, algumas crianças gostam muito de conhecer seu corpo e colocam objetos pequenos no ouvido, boca ou nas narinas, portanto é preciso tomar alguns cuidados em relação a isso. Para elas, indico brincar com objetos maiores, por ser mais interessante e seguro.

Já as crianças maiores, considerando dos sete aos 10 anos, elas já têm noção de jogos com regras. Neste sentido, é possível brincar com elas em todas aquelas modalidades de jogos. Brincadeiras antigas como as cinco marias, bolinha de gude, algum tiro ao alvo (como uma bola de papel no balde, com o balde em diferentes posições) entre outras.

Levando essas premissas em consideração, Selma deixou algumas sugestões de brincadeiras educativas para as crianças realizarem em casa durante a quarentena.

Brincadeiras Educativas e divertidas

  • Fazenda de legumes

Essa é aquela brincadeira antiga de fazer animais com legumes, fincando palitos na cenoura na batata. Depois a criança monta uma fazenda com a bicharada toda.

  • Brincando na cozinha:

Outra coisa que pode ser feita também, é a própria culinária. Porque a culinária muitas vezes exige habilidades motoras finas. E a criança pode se divertir ajudando a mãe na cozinha, ao mesmo tempo que se desenvolve motoramente. Seja fazendo bolinhas com a massa de pão, espetinhos de frutas, mexendo a massa de bolo, quebrando um ovo.  As medidas também que ajudam a criança entender na prática os conceitos de quantidade, peso e volume e assim por diante.

Tarefas como arrumar a mesa e contar pratos para os membros da família, são ótimos para criar as bases do raciocínio lógico matemático.

No caso dos maiores a culinária tem objetivos diferentes. Colocando nesta culinária problemas mais elaborados. Por exemplo, questionar a criança sobre a possibilidade de aumentar a receita, pedindo para ela ajudar a recalcular a quantidade de ingredientes. Ou consultando o preço dos ingredientes na internet e calculando os preços para saber o valor necessário para comprar os ingredientes de determinada receita.

  • Para os que gostam de Lives

Vale também colocar uma música, para as crianças criarem gestos e movimentos. Que podem ser filmados e enviados para os coleguinhas gravarem outros vídeos imitando a coreografia inicial. Essa atividade pode até se tornar uma Live da criança nas redes sociais para os amiguinhos acompanharem.

  • Quebra cabeças gigantes

Um quebra-cabeças de muitas peças pode ser montado em família. É uma maneira de todos trabalharem juntos, aprendendo a se comunicar, perseverar, conviver e colaborar em um projeto em comum. Um trabalho excelente de espaço e de percepção visual como um todo.

  • Casinha ou tenda de lençol

Como as crianças amam entrar em uma cabana! Pode ser embaixo de uma mesa coberta, ou um lençol sob um grupo de cadeiras. Elas vão brincando de casinha, acampamento, imitando a mamãe ou o papai com as bonecas e carrinhos.

Esta é uma boa oportunidade para os pais observarem como a criança resolve seus problemas sociais, suas angústias e suas dificuldades, através do brincar de casinha. Uma atividade gostosa e tremendamente educativa!

  • Bordar

Essa é uma atividade interessantíssima que trabalha a coordenação motora fina e estimula a persistência, atenção e concentração. As pessoas dão pouca importância para o crochê e o tricô. Mas na verdade grandes cirurgiões utilizam esta habilidade manual para desenvolver a firmeza e objetividade no movimento.

  • Jogos de regras:

Podem ser feitas várias atividades à partir deste princípio, como o jogo de dominó, jogos de memória, jogo de bulica, jogo de bafo (virar figurinhas).

Uma brincadeira bem interessante para aprender geografia, por exemplo, é o jogo batalha naval. Para aprofundar, as crianças poderiam relacionar nome de país, bandeira, capital, continente e uma comida típica. Podendo pesquisar uma receita da região e tentar fazer para experimentar.

Também vale de lembrar que existe uma variedade de brincadeiras antigas que podem ser pesquisadas na internet. Elas vão divertir adultos saudosistas e crianças.

  • Pesquisa em família

Que tal aproveitar o tempo para organizar a árvore genealógica da família?

Pode ser um trabalho de detetive, buscando a origem do sobrenome na internet. Ligando para os avós e descobrindo o nome de seus pais, avós e quem sabe a nacionalidade de seus ancestrais. O desafio é ir o mais longe possível no passado.

  • Para movimentar todo o corpo:

As vezes o corpo “grita” pedindo para se movimentar. Neste caso vale brincar de amarelinha, boliche com garrafas pet, pular corda, cambalhotas, bambolês, pular elástico. E para quem mora em prédios, que tal passear nas escadas com movimentos diferenciados, como na brincadeira do “siga o líder”.

Brincadeira antiga - amarelinha
Brincar de amarelinha é uma ótima opção para a criança movimentar o corpo. 

FONTE: https://www.unasp.br/noticias/brincadeiras-educativas-para-as-criancas-na-quarentena/

5 motivos para você fazer exercícios físicos ao ar livre

Além de desfrutar de um clima e ambiente agradável, fazer atividades físicas ao ar livre traz várias vantagens para o seu corpo e mente. A Marie Claire australiana entrevistou Scott Laidler, personal trainer de celebridades como Kate Hudson, e pediu que ele desse 5 bons motivos para você comer já a se exercitar ao ar livre, até mesmo em dias frios!

1. Você irá melhorar seu humor e preparo físico
Fazer exercícios ao livre fará você se sentir bem. “O ar fresco e o ambiente natural elevam o humor. Isso não significa que você precisa se exercitar todo dia na rua ou no parque, mas correr uma vez por semana ao ar livre fará uma grande diferença não só no seu humor, mas também na sua motivação e preparo físico”, explica o personal trainer.

2. Você exigirá mais do seu corpo
Alguns exercícios feitos no solo, como corrida, não têm o mesmo efeito quando praticados em equipamentos. “Ao correr em um terreno irregular, seu corpo terá que se esforçar mais, melhorando sua estabilidade e trabalhando áreas dos seus músculos que nem mesmo os equipamentos conseguem atingir.”

3. Você (quase) não tem impedimentos para praticar atividades físicas
Ambientes ao ar livre estão a maior parte do tempo abertos e têm um espaço amplo, ao contrário da academia. Então, Exercitar-se ao ar livre é algo que você pode fazer em qualquer momento e com mais liberdade. “Nem mesmo uma viagem a impedirá de se exercitar, já que você pode caminhar ou correr na rua ou num parque.” Se você criar o hábito de se exercitar ao ar livre, você terá a garantia de que poderá fazer isso sempre, uma vez que você não terá quase nenhum empecilho, a não ser que esteja chovendo…

4.Você terá um desafio novo
“Colocar-se em experiências que estão fora da sua zona de conforto irá torná-la mais forte como pessoa e irá ajudá-la a progredir. Faça uma força para treinar ao ar livre também quando estiver frio e nublado. Você se sentirá realizada e estimulada em cumprir o desafio que colocou para você mesma.”

5. Você economizará dinheiro
“Qualquer parque na cidade pode ser como uma academia equipada se você tiver criatividade. Use o espaço amplo para correr e os bancos do parque e brinquedos dos parquinhos para criar circuitos e exercícios que você pode fazer usando o próprio peso corporal.” Se você estiver precisando economizar, não há necessidade de ter um gasto mensal numa academia, já que você pode ter o que precisa de graça.

FONTE: https://revistamarieclaire.globo.com/Beleza/noticia/2015/03/personal-trainer-lista-5-motivos-para-voce-fazer-exercicios-fisicos-ao-ar-livre.html