Construir em condomínio fechado: 7 dicas imperdíveis

Construir em condomínio fechado: 7 dicas imperdíveis

Como elaborar um projeto de residência para condomínio fechado? Quais as regras para se construir em um condomínio?

A construção de condomínios fechados é uma tendência cada vez maior em todo o Brasil. Na cidade de Araçatuba/SP temos o lançamento recente de vários condomínios residenciais, por exemplo o Residencial Laranjeiras, Residencial Barcelona, Alphaville Araçatuba, Vila Madalena, Residencial Costa Home e Green Park, é natural que os futuros moradores tenham dúvidas sobre regras para construir em condomínio fechado, como elaborar o projeto para uma residência em condomínio, dentre outras.

Este artigo tem o objetivo de orientar você que adquiriu ou deseja adquirir um lote e construir em condomínio fechado, seja uma casa térrea ou sobrado.

Por isso fique atento para as dicas que irei passar sobre pontos importantes que a ser observados antes de projetar e construir em um condomínio.

planta baixa com recuos

1. Observe as regras para construir do condomínio

Cada condomínio possui regras específicas a serem seguidas para o projeto e construção. De maneira geral procure observar principalmente os seguintes itens:

Dimensões mínimas

Os condomínios fechados possuem um padrão de construção a ser seguido, isso é para o benefício de todos os moradores. Um dos itens que se utiliza para manter um padrão de construção é a metragem mínima a ser construída, pois uma construção causa impacto também nas outras em volta, podendo valorizar ou desvalorizar todo o condomínio.

Recuos frontais e laterais obrigatórios

Cada condomínio possui medidas de recuos obrigatórios específicos. Isso mantém uma padronização das construções, além de contribuir para um melhor conforto térmico, acústico e garantir um pouco mais de privacidade a todos, evitando que se construa uma residência muito próxima a outra.

Alguns condomínios permitem que o recuo frontal seja utilizado para a construção de garagem, respeitando-se alguns itens, como: dimensões máximas, muro lateral e, ser permitido, altura máxima do mesmo.

Altura máxima da edificação

Para manter a padronização das edificações, em geral se limita a residência a dois pavimentos, sendo um térreo e outro superior (sobrado). Em alguns casos é permitido um terceiro pavimento, desde que este seja subterrâneo (garagem, por exemplo).

Antes de construir, é importante verificar junto à administração do condomínio quais as regras específicas, para evitar qualquer tipo de transtorno.

2. Invista tempo pensando o projeto arquitetônico antes de iniciar a construção

A contratação de um bom profissional para a elaboração do projeto é essencial. É importante que o projeto seja feito baseado nas necessidades de sua família, afinal de contas serão muitos anos habitando na casa, então o tempo investido analisando o projeto pode livrar de boas dores de cabeça no futuro.

A família possui pretende ter filhos? Quantos? Se tem, qual a idade? A quantidade e disposição dos cômodos levou isso em consideração?

Qual sua profissão ou hobby? Será que não seria o caso de prever um cômodo a mais para um escritório, ateliê ou depósito de equipamentos esportivos?

O quanto antes se perceber a necessidade de modificações melhor, pois quanto mais avançada a obra, maior quantidade de recursos (material, mão de obra e tempo) serão necessários para realizar mudanças.

3. Faça um bom planejamento do orçamento

Existe um pensamento que em obras sempre se gasta mais do que se espera.

Quando se tem um orçamento bem feito antes, com um cronograma físico-financeiro, prevendo cada etapa com valor estimado de mão de obra, material e tempo que será necessário, podem até aparecer imprevistos, mas com certeza serão amenizados.

Um bom profissional será de extrema importância nesse momento, pois ajudará a utilizar os recursos de forma racionalizada, definindo a melhor estratégia para construir, colocando cada etapa em seu devido tempo.

4. Saiba a hora certa de comprar materiais para a construção

Aqui existem duas abordagens, ficando a seu critério qual adotar:

  • Comprar uma grande quantidade de materiais, se possível para toda a obra, conseguindo um desconto considerável junto ao fornecedor de materiais de construção, porém existe o risco de perdas, quebra, empenamento, logística para armazenamento… caso não tenha previsão de concluir rapidamente a obra não aconselho este método.
  • Comprar os materiais aos poucos, de forma planejada, conforme evolução da obra. Assim talvez não se consiga um desconto tão grande, mas a perda de material é menor, principalmente em casos de mudança de planos, quando se muda de ideia e muda-se a opção de algum material ou alteração no projeto.

5. Tenha um cronograma físico e financeiro confiáveis

Além da hora certa, é importante que exista um bom orçamento, para que você se programe em relação aos recursos financeiros que serão necessários e quando serão necessários.

Existem casos de financiamento onde a verba é liberada pelo banco conforme as etapas da obra são concluídas, então o cronograma deve se atentar para isso. Não é incomum construções em que não é seguido um cronograma, e após medição o banco não libera a verba esperada, pois a etapa que deveria ser concluída não foi priorizada, sendo executada parcialmente, junto com outros itens que não eram necessários no momento.

Lembre-se: Em casos de financiamento para construção o banco não libera pagamentos parciais, então se o pagamento estava condicionado ao assentamento do piso, e foi assentado apenas 50%, não será liberado 50% do pagamento, o financiamento só será liberado quando a medição realizada pelo banco constatar que o serviço foi finalizado.

6. Escolha uma boa construtora

Uma construção residencial pode parecer algo simples, mas são tantos detalhes que se a equipe de construção não tiver o conhecimento e experiência necessária, pode acabar se perdendo no meio do caminho, e a casa dos seus sonhos pode acabar sofrendo com gambiarras, detalhes importantes que passaram batido e no dia a dia vão fazer muita falta.

Conheço uma pessoa que construiu em um condomínio de alto padrão aqui na cidade, e me diz que toda vez que precisa usar o liquidificador se lembra do arquiteto que projetou sua casa (e não de uma maneira boa), pois não foi previsto nenhuma tomada próximo à pia da cozinha, sendo necessário ligar uma extensão de outro ponto até a pia para o uso de qualquer aparelho eletrônico.

Uma modalidade muito comum e que recomendo é a contratação da obra fechada, com mão de obra e materiais juntos, o chamado chave na mão, pois assim a responsabilidade é toda da construtora, e mesmo que você pense que poderia economizar ao negociar diretamente os materiais, acredite, o trabalho e dor de cabeça que são evitados vale muito a pena.

7. Exija garantia e documente toda alteração

Ao final da obra faça uma inspeção minuciosa da obra a ser entregue. Com base no contrato firmado antes do início da obra, exija que itens com os quais não concorda sejam regularizados. Se necessário contrate um engenheiro para fazer uma vistoria, assim terá respaldo técnico para exigir que os itens que não estiverem de acordo com o combinado sejam corrigidos.

As notas fiscais poderão ser muito úteis ao final da obra, pois poderão ser abatidas do imposto municipal (ISSQN), verifique na prefeitura a possibilidade do pagamento desse imposto ao final da obra e qual o procedimento para receber abatimentos nesse valor.

É comum que durante a obra alguns detalhes sejam alterados. É importante que você documente por escrito juntamente com o construtor essas alterações, para evitar desentendimentos quando se cobrar a execução destes itens, pode acreditar, com isso evita-se muita dor de cabeça.

FONTE: https://engenheirocivil.online/construir-em-condominio-fechado-7-dicas/

SITE: https://engenheirocivil.online/

Share this post