Portaria

Política da boa vizinhança: 7 dicas para conviver com vizinhos

A política da boa vizinhança é fundamental para quem vive em um condomínio. De fato, não dá para entrar em atritos e viver se chateando com as pessoas que o cercam, por mais que as divergências existam. O respeito, a paciência e o diálogo são boas maneiras de lidar com a vida em sociedade, o que é basicamente o cotidiano de quem reside em prédios.

O grande segredo, nesse caso, está em evitar tomar decisões enquanto estiver no calor de uma situação estressante e sempre ter na memória uma verdadeira cartilha de não deixar que problemas simples acabem crescendo.

Quer saber mais? Vamos mostrar dicas essenciais para conviver com vizinhos e exercer as melhores práticas na hora de garantir a harmonia em longo prazo. Acompanhe a leitura.

1. Conheça e respeite as regras do condomínio

Todo condomínio tem regras de convivência. Elas abrangem orientações sobre comportamento nas áreas comuns, dentro de casa e na forma como os moradores usufruem a infraestrutura dos prédios. É importante que, primeiramente, cada um saiba exatamente quais são as restrições. Isso garante que nenhuma atitude proibida seja praticada, ainda que sem intenção.

Conhecer as regras é obrigação de cada condômino, especialmente porque muitas delas estão sujeitas a multas. Informe-se nas reuniões ou solicite ao síndico uma melhor divulgação dessas orientações. Assim, você e seus vizinhos estarão sempre informados.

Fundamental também é seguir todas as regras e diretrizes à risca. De nada adianta conhecê-las e não colocá-las em prática. Lembre-se de que se alguém as definiu, foi pensando justamente na harmonia do condomínio. Segui-las é mostrar respeito e colaborar para a política da boa vizinhança.

2. Respeite as áreas compartilhadas

As áreas comuns do condomínio exigem ainda mais um comportamento comunitário entre todos os moradores. Elas são divididas e podem ser frequentadas por qualquer um, justamente por isso as regras precisam ser observadas e cumpridas. Há vários comportamentos que podem gerar desconforto, insatisfação e até mesmo atritos em alguns momentos.

No estacionamento, respeite as restrições de vagas e estacione adequadamente. Na piscina, respeite o espaço dos outros moradores e seja um vizinho agradável. isso também deve ser praticado na área de lazer, na portaria e em qualquer outra área compartilhada. A gentileza e a educação devem sempre ser as bases para o comportamento nesses locais.

Exercer essa preocupação pode ser muito positivo para gerar uma boa imagem para os moradores. A convivência em espaços comuns a todos será sempre um desafio, mas as chances de ter um condomínio harmonioso e pacífico crescem se cada um fizer a sua parte.

3. Cuide do lixo gerado

Esse é um problema muito comum e que deve ser pensado com todo cuidado para preservar a política da boa vizinhança. Lixo é coisa séria e deve ser controlado com todo cuidado por cada morador. O condomínio tem suas próprias regras e rotinas quanto ao recolhimento do lixo, então é fundamental segui-las para evitar qualquer situação desagradável.

Primeiramente, faça sempre o descarte adequado. Procure jogar seu lixo apenas em locais recomendados para que o recolhimento aconteça posteriormente. Não dá para deixá-lo em qualquer canto esperando que alguém o leve. Pode ser muito chato para os condôminos lidar com sacos que não são seus, especialmente se eles estiverem pelo caminho.

Outro ponto importante é a proteção do lixo. Use sacos fortes e que não tenham riscos de rasgos. Isso evita problemas no recolhimento. Vidros e objetos cortantes podem ser enrolados em jornais, evitando que alguém se machuque. Respeite também as diferentes lixeiras para descartes orgânicos, de metais, plásticos e papéis.

4. Busque conhecer os vizinhos

Por que não conhecer os vizinhos? Muitas vezes essa é uma ótima oportunidade de conduzir qualquer situação que possa ocorrer, fruto da convivência em um condomínio. Quando possível, puxe assuntos comuns, sem ser invasivo ou curioso quanto à vida pessoal de cada um. Gerar esse contato, mesmo que mínimo, mostra que você é uma pessoa aberta a diálogos.

Problemas futuros podem ser resolvidos muito mais facilmente se, em algum momento, você demonstrou abertura e simpatia. Por mais que você seja reservado, é comum precisar de outros vizinhos, ou até mesmo de contatos esporádicos para solucionar situações. Se você os conhece, terá mais facilidade para conduzir qualquer questão.

Naturalmente, não é necessário forçar nenhum tipo de amizade, se esse não for o caso. A política da boa vizinhança é fortalecida quando todos exercem a simpatia e a educação. Esse é o passo inicial para viver em um lugar melhor para todos.

5. Preze pela conciliação sempre que houver problemas

Problemas podem acontecer na vida em condomínio: desavenças, desacordos e até mesmo a falta de respeito das regras de convivência geral. Nesses momentos, é preciso ter calma, paciência e muito diálogo. A conciliação é sempre o melhor caminho para que tudo fique da melhor forma para os lados envolvidos.

Busque um diálogo direto se você enfrenta algum problema frequente com um vizinho específico. Com a abordagem correta, essa atitude não vai parecer incisiva demais, muito pelo contrário. Com respeito e educação, a outra pessoa entenderá que está gerando algum transtorno e vai considerar a sua solicitação — esse pode ser sempre o primeiro passo para a solução.

síndico também precisa exercer o papel de conciliador no condomínio. Se preferir, comunique o problema a ele e se mostre disponível para um diálogo de resolução do problema caso você não se sinta bem em abordar diretamente o condômino. Há maneiras pacíficas e simples de resolver essas questões e, acredite, essa é sempre a melhor saída!

6. Seja solidário e participativo

Ainda que não seja obrigatória na política da boa vizinhança, a solidariedade faz toda diferença na vida em comunidade. Pessoas têm diversas necessidades e, em algum momento, pode ser que a sua ajuda resolva algum problema. Por que não se mostrar disponível para auxiliar? Condôminos precisam estar sempre prontos para ajudar com questões mais simples possíveis.

A velha história do vizinho que bate na sua porta para pedir um pouco de açúcar é muito explorada em campanhas publicitárias, e realmente ela pode acontecer. Assim como essa situação, muitas outras ajudas e colaborações podem ser solicitadas e, de sua parte, também podem ser oferecidas de maneira ativa. Ajudar é sempre importante, já que você pode precisar de algum suporte no futuro.

A participação no condomínio também se faz fundamental. Vá às assembleias, reuniões, confraternizações e momentos em que se tomam decisões ou comemoram juntos. Você não precisa ser o amigo de todos, mas ter bom trânsito e contar com a simpatia dos moradores será ótimo para a sua convivência no condomínio.

7.Conheça as principais causas de conflitos

Mesmo que você seja uma pessoa extremamente paciente e sempre preze por resolver os problemas de maneira calma, conviver com os vizinhos é uma via de mão dupla. Ou seja, a paz não depende apenas de uma das partes, concorda? Quando alguém fica no prejuízo, torna-se muito comum que essas questões parem no poder judiciário.

Como o que você menos deseja é perder tempo e dinheiro correndo atrás de advogados em processos que nem sempre compensam o estresse envolvido, o melhor caminho é ficar por dentro de quais são os fatores que fogem da boa convivência e das soluções mais utilizadas para acalmar os ânimos sem desagradar nenhuma das partes. Veja, a seguir, alguns exemplos.

Calote

Moradores com taxas obrigatórias atrasadas no condomínio geram alguns transtornos. Certamente, são responsáveis pela maioria dos problemas de convivência pela falta de compromisso com as contas. Além de deixar um buraco na administração interna, ainda causam aumento nos valores cobrados para cobrir as brechas deixadas.

Na maioria dos casos, se o número de inadimplentes é muito grande, quem paga em dia sofre as consequências e costuma ficar insatisfeito com esse tipo de injustiça. O problema, no entanto, acontece porque o processo até conseguir um acordo com os atrasados tende a ser bastante demorado, especialmente se medidas legais forem acionadas.

Enquanto isso, o dinheiro deixa de entrar e as contas continuam iguais — ou até mesmo maiores. Por esse motivo, os responsáveis pela administração do condomínio apresentam as despesas discriminadas para que cada um saiba o que está pagando efetivamente e conheça os motivos dos aumentos juntos da melhor maneira de resolvê-los.

Infiltrações

Pode até parecer simples de resolver à primeira vista, mas os problemas com caos e infiltrações causam muita dor de cabeça. Quando isso vem de outro lugar que não do próprio apartamento, as pessoas ficam mais ansiosas para resolver logo e acabam criando um grande conflito entre vizinhos. Agora, quando os responsáveis em solucionar a questão se mostram omissos, a reclamação passam a ser constantes.

O primeiro passo está em investigar a origem da falha. Assim, fica muito mais simples compreender como será feito o processo de resolução. Na maioria das vezes, quando o clima fica insustentável, o condomínio precisa entrar como uma opção conciliadora para que as partes envolvidas consigam entrar em acordo financeiro.

Se a situação for direcionada aos poderes da justiça, o processo começa com a averiguação de uma perícia que busca identificar a raiz do vazamento. Ao detectar os moradores responsáveis pelos reparos é emitida a sentença. Porém, a dificuldade está, justamente, em aguardar o tempo burocrático que leva para que isso tudo aconteça com falhas graves no sistema de funcionamento de sua casa.

Animais de estimação

Apesar de serem uma alegria aos seus donos, os bichinhos de estimação, como cachorros, pássaros e gatos, são motivos frequentes de discórdia. O motivo é que os condomínios que permitem animais domésticos costumam apresentar regras rigorosas sobre o assunto. Muita gente não considera justo, por exemplo, ser obrigado a carregar o cachorrinho no colo enquanto passa por áreas comuns do prédio.

Outra questão é o barulho causado por latidos que tendem a aumentar quando os donos saem de casa. Essas discussões também passam por falta de cuidado com a sujeira deixada pelos pets e outras questões que envolvem risco as crianças moradoras. A maioria das decisões, no entanto, deve ser abordadas em assembleia enquanto todos os responsáveis pelos apartamentos estiverem presentes.

Carro

Manter seu carro seguro na garagem podem ser uma tarefa bastante trabalhosa. Se você nunca chegou até o local e encontrou a pintura riscada ou a lataria batida pelo descuido de vizinhos deve se considerar muito sortudo. Sem contar o estresse que gera encontrar outro veículo estacionado na vaga demarcada com o número do seu apartamento.

Quando não surge nenhum responsável ou o vizinho apontado se recusa a assumir o prejuízo, as reclamações tendem a ser levadas até as últimas consequências na justiça. O mais importante, em situações de avarias, é reunir provas suficientes para sustentar o caso diante de um processo oficial.

Crianças

A presença de crianças é constante em condomínios, e as áreas de diversão têm entretenimento para que elas possam se divertir. Considerando isso, muitos vizinhos se incomodam quando o barulho se mostra excessivo em lugares inadequados ou fora do horário permitido.

Por mais que todos saibam que os pequenos correm, choram e gritam, algumas questões agem como agravantes de relacionamentos com brincadeiras desacompanhadas ou até mesmo trocas de ofensas. Ai não tem jeito, os pais compram as brigas no mesmo momento e o vizinho passa a ser o inimigo número um.

Cobranças indevidas

Qualquer valor que seja cobrado pontualmente para uma festa específica costuma dar o dobro de trabalho aos responsáveis pelo condomínio. Por exemplo, quem não vai participar da festa junina deve contribuir com a ajuda financeira para compra de comida?

Esse tipo de dúvida já se torna suficiente para gerar desavenças, especialmente, quando as regras da gestão são flexíveis em situações assim. Dentro desse contexto, é indispensável ter uma política interna que seja bem clara sobre despesas adicionais em casos de festividades.

Prova festas em espaços comuns

Se divertir entre amigos é uma excelente forma de deixar a desavenças de lado. Quanto mais os vizinhos se conhecerem, mais fácil será abordar os problemas e encontrar soluções que atendam às necessidades de todos.

A dica, aqui, é estimular a convivência e o espírito de comunidade com várias ações pontuais que mostrem que uma discordância não pode ser o suficiente para acabar uma amizade. Entre as principais sugestões estão fazer campanhas de doações, festas em datas comemorativas, ações para as crianças e confraternizações de final de ano.

Além disso, trace estratégias que ajudem na colaboração de todos. Ao se sentir como parte importante da engrenagem que faz as coisas funcionarem harmoniosamente, as pessoas ficam mais colaborativas e se colocam no lugar dos outros em situações de difíceis decisões.

Compartilhe informações de contatos

Compartilhar informações positivas e de serviços eficientes é sempre uma boa ideia para reforçar a sensação de harmonia entre os vizinhos. Então, monte uma espécie de mural colaborativo para informações, como pedreiros de confiança, entregadores ou, até mesmo dicas, de passeios bacanas pela região.

O ponto central de uma comunidade gira em torno de sentir que todos vestem a mesma camisa. Com isso, quando surgir um problema, o estresse será muito menor, já que as pessoas vão se lembrar que a vizinhança também apresenta vários fatores positivos.

A política da boa vizinhança se faz necessária para todos! Respeite as regras, se mostre simpático e acessível, além de buscar resolver qualquer questão em diálogos amigáveis. Seguindo as dicas que você viu neste post, o caminho é de harmonia e convivência em um lugar tranquilo.

FONTE: https://www.blogdamrv.com.br/politica-da-boa-vizinhanca-7-dicas-para-conviver-com-vizinhos

As vantagens de morar em condomínio fechado

Cada vez mais, os condomínios têm se tornado uma opção de moradia para o brasileiro.

Essa mudança não se deu por acaso, é fruto de uma série de fatores, como as diversas vantagens de morar em condomínio fechado em relação a morar em residências convencionais.

Mas afinal, você sabe quais são essas vantagens e como elas impactam na sua vida e da sua família?

Com o intuito de responder a essa questão, preparamos este breve artigo especialmente para você.

Nele abordaremos as principais vantagens de morar em um condomínio fechado: boa qualidade de investimento, maior praticidade no dia a dia, alto padrão, aumento da qualidade de vida, redução de custos, vida em comunidade, lazer em casa e segurança. Confira!

Conheça as vantagens de morar em condomínio fechado

Boa qualidade de investimento

As vantagens de morar em condomínio fechado As vantagens de morar em condom  nio fechado cia da praia 04

Por conta das inúmeras qualidades que um imóvel em condomínio fechado apresenta, ele oferece boa liquidez no mercado — ou seja, é vendido facilmente caso o proprietário assim deseje.

Além disso, por conta da tendência de preferência do consumidor em possuir um imóvel em condomínio fechado, eles estão se valorizando cada vez mais.

Dessa forma, para o investidor, é necessário avaliar boas oportunidades e condomínios que tendem a se consolidar no mercado.

Quando essa consolidação ocorre, o imóvel valoriza e quem entrou na jogada desde o começo tende a lucrar.

Se botarmos na ponta do lápis todas as vantagens apresentadas nesse texto, fica fácil perceber o excelente negócio que é comprar uma casa em condomínio fechado!

Maior praticidade no dia a dia

A vida moderna é marcada pelo dinamismo e multitarefas que precisamos realizar diariamente.

Dessa maneira, é necessário que o nosso lar seja um local prático, em que não se demande muito tempo para realizar a manutenção e a limpeza do mesmo. Com isso, sobra mais tempo para investir no trabalho e no lazer com a família.

A gama de serviços oferecida pelo condomínio, como corte de grama, manutenções externas e paisagismo proporciona maior tranquilidade para seus condôminos, isso sem falar na segurança que este tipo de residência oferece.

Alto padrão

As-vantagens-de-morar-em-condomínio-fechado-cia-da-praia-alto-padrao  As vantagens de morar em condomínio fechado As vantagens de morar em condom  nio fechado cia da praia 03

Em geral esses imóveis estão localizados nas melhores regiões da cidade, servidos de boa infraestrutura e construídos a partir de materiais de alta qualidade, o que faz valer a pena cada centavo investido no imóvel.

E quem não gosta de conforto e requinte, não é verdade?!

Aumento da qualidade de vida

Qualidade de vida é um conceito que está aliado a diversos fatores, como saúde, educação, renda e moradia.

Vale destacar que a moradia não deve ser entendida apenas com um conceito isolado, mas relacionado há outros fatores.

Um bom local para morar não é somente aquele com uma boa estrutura física, mas com elementos que permitem aos seus ocupantes desfrutar de todos os outros elementos que aumentam a qualidade de vida.

Em um condomínio fechado você encontra tudo que precisa para aumentar a sua qualidade de vida. O lazer, a segurança, o contato com a natureza, liberdade para as crianças brincarem…

Vida em Comunidade

As vantagens de morar em condomínio fechado As vantagens de morar em condom  nio fechado cia da praia 05

Antigamente, era muito comum a vida em comunidade nos bairros.

As crianças brincavam nas ruas e os mais velhos ficavam jogando papo fora nas calçadas e varandas.

Todos se conheciam e não havia receio em relação aos vizinhos. Todavia, com crescente criminalidade e ocupação que a vida moderna necessita, esses valores forem se perdendo.

Os condomínios fechados, por apresentarem maior segurança e contato seguro entre seus moradores, tornaram-se um local propício para o reavivamento dessas relações.

É comum dentro de condomínios vizinhanças conectadas e bem entrosadas, onde o morador pode sempre fazer novas amizades e conhecer novas pessoas, ideal para crianças, jovens, adultos e idosos que desejam ter uma vida social mais ativa.

Lazer em casa

Imagina fazer uma caminhada em casa antes de sair para o trabalho ou mesmo dar um mergulho na piscina? Muitas dessas alternativas de lazer são impedidas em casas por conta do custo elevado e do risco de praticar atividades de lazer ao ar livre.

Nos condomínios, essas práticas são facilitadas. Diversos condomínios apresentam muitas opções de lazer em seu espaço. Entre as principais opções, podemos destacar as quadras poliesportivas, salão de festas, jardins, piscinas, saunas, espaços para caminhadas, contato com a natureza entre outros.

Segurança

As-vantagens-de-morar-em-condomínio-fechado-cia-da-praia-seguranca  As vantagens de morar em condomínio fechado As vantagens de morar em condom  nio fechado cia da praia 01

Por fim, temos a segurança, que podemos destacar como a vantagem mais importante dos condomínios fechados na atualidade.

Conforme destacamos ao longo do texto, com a crescente violência urbana, os condomínios tornaram-se uma opção segura para moradia e lazer com a família, ideal para quem busca paz e tranquilidade.

FONTE: https://ciadapraiaimoveis.com.br/blog/condominio-fechado/as-vantagens-de-morar-em-condominio-fechado/

A importância de brincar ao ar livre

Seja dentro ou fora de casa, brincar é sempre benéfico para as crianças, não importa onde a brincadeira aconteça. Mas brincar ao ar livre tem vantagens bem especiais.No livro A Última Criança na Natureza, o americano Richard Louv afirma que doses de natureza são fundamentais para compensar os efeitos do nosso estilo de vida atual. Segundo o autor, os sentidos das crianças ficam cada vez mais limitados à medida que elas passam menos tempo em áreas naturais. Os benefícios de se estar em contato com a natureza são vários: a melhora da saúde física e mental; melhora na aprendizagem e no desempenho escolar; redução de sintomas de déficit de atenção e hiperatividade. Além de tudo isso, ainda é um excelente estímulo ao convívio social.

Como brincar ao ar livre em uma cidade grande?

Primeiramente, falar de natureza não significa que a família precisa sair da cidade para que as crianças possam aproveitar. Passeios a parques e áreas verdes são exemplos do que pode ser feito, mesmo dentro de grandes centros urbanos. Outra boa ideia, é um piquenique em um parque ecológico. Muitos parques têm centros de preservação de fauna e flora, locais muito interessantes.

Brincar no quintal, em área comuns dos prédios ou na rua, com a supervisão de um adulto, também é uma opção para o dia a dia. Quando tiver a oportunidade, incentive que a criança experimente pisar na grama, terra e até areia. No começo, algumas crianças estranham a sensação, mas é importante que ela perceba a diferença do toque em diferentes superfícies. Esse tipo de coisa, que foi comum na infância de muitos pais, hoje é algo raro entre as crianças.

Já pra fora!

Um estudo feito na Universidade Regina, no Canadá, apontou que brincar ao ar livre pode incentivar jovens a serem mais ativos e saudáveis. Eles analisaram mais de 300 jovens entre 9 e 17 anos, registrando quanto tempo eles passavam ao ar livre depois da escola. As crianças que ficavam mais tempo fora de casa, eram três vezes mais suscetíveis a fazer atividades físicas e estavam em melhor forma do que as que passavam mais tempo dentro de casa depois da escola. “Se conseguirmos deixar os estudantes por mais tempo fora de casa, eles serão mais ativos, portanto, terão benefícios a longo prazo”, afirma dra. Lee Schaefer, uma das autoras do estudo.

Uma análise feita pelo Projeto Criança e Natureza, do Instituto Alana, mostrou que nas cidades brasileiras 40% das crianças passa uma hora ou menos brincando ao ar livre. A maioria dessas crianças gasta 90% do tempo em ambientes fechados. Esse é um dos motivos pelos quais o projeto acredita que o contato com a natureza é um direito da criança. Afinal, esse contato potencializa o aprendizado e o desenvolvimento dos eixos físico, intelectual e emocional.

Com todos esses argumentos, vai ficar cada vez mais difícil ficar dentro de casa com as crianças!

FONTE: https://leiturinha.com.br/blog/a-importancia-de-brincar-ao-ar-livre/

10 dicas infalíveis para você organizar sua casa!

Você sofre para manter sua casa organizada? Não se preocupe, você não é a única pessoa! Muita gente acaba perdendo uma grande parte do tempo ou pelo menos tentando deixar a casa em ordem.

Pensando nisso, a Guarde Mais Self Storage elaborou um texto especialmente para você. A seguir, você descobrirá dicas essenciais para organizar e manter organizada sua casa. Afinal, quem não deseja ter uma casa mantida organizada por mais tempo para poder desfrutar também de um pouco de tempo livre e mais espaço?

1 Estabeleça um planejamento:

Para uma melhor eficiência na organização da sua casa, podemos começar pelo básico: estabelecendo um cronograma de limpeza. Para isso, busque na sua rotina qual seria o melhor dia ou período que você pode se dedicar exclusivamente para a organização da sua residência e, mais importante, se atenha ao seu cronograma.

2 Disciplina é essencial:

Conforme a semana passa, a casa começa a ficar cada vez mais desorganizada. É roupa suja que se acumula no cesto, a louça que começa a ficar empilhada na pia, objetos fora de lugar e espalhados pela casa.

Para que isso não aconteça, é muito importante que você não deixe as tarefas se acumularem. Cada coisa fora do seu lugar fará com que você perca um tempo valioso quando começar a arrumar tudo. Por isso, é importante ter muita disciplina.

Mas, é claro que apenas você ter disciplina não basta (você pode descobri mais sobre isso na dica número três).

3 Não deixe para depois o que você pode fazer agora:

Algumas atividades demandam um tempo maior para serem realizadas, como limpar o banheiro ou lavar alguma área da casa. Porém, existem também aquelas tarefas que são menores e podem ser concluídas rapidamente. A louça da janta irá tomar uns quinze minutos do seu tempo. Então por que deixa-la para o outro dia? Um copo ou outro utensílio espalhado pela casa pode ser rapidamente depositado na pia. Por que então deixar isso para fazer depois?

Você ainda descobrirá que será muito mais gratificante, no outro dia, acordar e encontrar sua pia limpa e sem louça acumulada do dia anterior. Ademais, o pequeno período de tempo que você irá passar lavando louça na véspera seria muito maior se você tivesse esperado até o dia seguinte.

No fim, o tempo que você economiza realizando pequenas atividade farão com que você acabe salvando um tempo valioso que pode ser utilizado para as atividade que você gosta. Afinal de contas, ninguém nasceu para apenas limpar e organizar a casa!

4 Dentro da sua própria casa você não é empregada de ninguém:

Às vezes o marido e o filho podem acabar abusando um pouco da nossa boa vontade. Atitudes tão simples como retirar o prato da mesa, colocar a roupa no cesto, arrumar a cama em que dormiu são tarefas básicas que devem ser realizadas por cada membro da família.

Para que seu lar tenha harmonia e fique sempre bem organizado é necessário que todos trabalhem juntos visando cumprir esse objetivo. Não adianta apenas a mulher fazer tudo, até mesmo porque algumas coisas exigem bom senso. A casa é um local de habitação compartilhado e, a menos que todos os integrantes da família ajam de maneira adequada com o objetivo de mantê-la organizada, não será possível alcançar um local agradável para se viver.

Por isso, nada de ficar se desgastando e limpando a sujeira que o outro fez e que pode limpar. Seja insistente e tente explicar que tudo o que você busca é o bem de todos. Mostre quem é a mulher da casa!

feng shui bagua

5 Utilizando as técnicas do feng shui como auxílio na organização da casa:

Você já ouviu falar do conceito de feng shui? Se não, você pode encontrar aqui um texto que publicamos aqui no blog da Guarde Mais sobre o assunto. De maneira simplificada, o feng shui é uma milenar tradição oriental que prega uma maneira de viver em harmonia com o espaço.

Para isso, há vários preceitos que podem ser aplicados com esse objetivo. Por exemplo, busque se livrar de objetos quebrados ou estragados, pois eles acumulam uma energia negativa. Você também pode preencher a sua sala de estar de ar e luz, além de espelhos, plantas e objetos de decoração muito queridos por você.

A ideia é que, muito mais do que a organização, a disposição de certos objetos e itens em sua casa também possam proporcionar um sentimento de bem-estar.

6 Utilize o minimalismo como uma forma de tornar a organização da casa mais eficiente:

O minimalismo surgiu como um movimento artístico e logo adquiriu contornos mais práticos e que podem ter um efeito prático sobre não apenas a maneira como você organiza a sua casa, mas também a maneira como você vive e se relaciona com o ambiente ao seu entorno.

O minimalismo, de maneira geral, prega o desapego, o essencial como uma maneira de alcançar uma felicidade que não pode ser conquistada com o acúmulo de objetos físicos. Assim, ao adotar uma postura mais minimalista na sua vida você se desfaz de todos os objetos que não trazem felicidade e são completamente desnecessários para a sua vida.

O importante dessa prática é que, ao ter apenas o essencial, você acaba não perdendo seu valioso tempo com coisas supérfluas e que não tenham valor. No fim, o minimalismo fará com que você tenha menos desperdício de energia e acúmulo de coisas desnecessárias. Isso significa muito mais tempo e praticidade para a sua vida, além de poder até mesmo melhorar a sua saúde psicológica.

fly lady arrumando a casa

7. Utilize o método Fly Lady:

O Fly Lady é um método de organização que surgiu nos Estados Unidos e que promete fazer com que você se torne uma expert quando o assunto for a organização da casa. As dicas oferecidas por esse método são muito simples e práticas e prometem ajudar você a poupar um tempão.

Ficou curiosa para saber quais são esses passos que irão ajudar você a manter uma casa muito mais organizada e sem muito sacrifício? Então não deixe de ler o texto aqui do blog da Guarde Mais Arrume a casa com o Método Fly Lady para iniciantes”.

8. Com medo de se desapegar? Nós temos a solução!

Às vezes é muito mais fácil falar do que tomar ações concretas para se desfazer de objetos que muitas vezes podem nos ter acompanhado por anos e ter um grande valor sentimental. Porém, você não precisa jogá-los fora e correr o risco de se arrepender mais tarde.

FONTE: https://guardemais.com.br/blog/10-dicas-infaliveis-para-voce-organizar-sua-casa/

4 formas de fazer seu cachorro parar de latir

Principalmente para quem mora em prédio, fazer seu cachorro parar de latir é às vezes muito necessário. Isso pode ser porque vizinhos estão reclamando, porque você quer dormir ou simplesmente porque você não quer que seu cachorro fique estressado. Seja qual for o motivo, violência nunca é a melhor forma. Existem formas muito positivas de fazer seu cachorro parar de latir. Veja a seguir algumas ideias.

  1. Petiscos

Você pode oferecer petiscos e aqueles mordedores comestíveis. Mas aqui vai uma questão importante: você precisa entregar o petisco quando ele parar. Assim, você ensina ele que, se parar de latir, vai ganhar um petisco. No começo pode ser um pouco difícil, mas se você der a comida enquanto ele estiver latindo, não vai conseguir fazer seu cachorro parar de latir. Porque dessa forma, ele vai entender que ganhou o petisco porque latiu. E vai latir mais.

  1. Faça carinho

Algumas vezes, ele está latindo porque está carente e quer atenção. Claro que se você estiver ocupado, trabalhando, isso pode se tornar um problema. Mas se conseguir tirar alguns minutinhos para acariciá-lo e ir diminuindo de pouco em pouco sem que ele perceba que está parando, é uma vitória para os dois lados. Temos que entender que os cachorros não são brinquedos: eles precisam de amor também.

  1. Distração

Mude o foco do seu cachorro. Se ele está latindo porque outro cachorro está latindo na rua ou no corredor, jogue uma bolinha, um osso, brinque com ele ou leve-o para passear para que ele se distraia do que estava fazendo ele latir. Assim, ele nem vai perceber que estava latindo e nem vai perceber que parou. Simplesmente arranjou algo melhor para fazer.

  1. Exercícios regulares

Um dos motivos que pode estar fazendo seu cachorro latir muito é a falta de exercícios físicos. Leve-o para passear com mais frequência ou contrate um dogwalker e veja se ele fica mais calmo quando é levado para passear mais vezes.

FONTE: https://www.petlove.com.br/dicas/4-formas-de-fazer-seu-cachorro-parar-de-latir

3 dicas para cuidar do seu filhote de cachorro

 

Quem nunca se apaixonou por aquele filhotinho fofo e indefeso? Os cachorros, quando pequenos, são realmente lindos, mas não pense que é fácil cuidar deles. Os filhotes precisam de cuidados especiais e bastante atenção. Pensando em você e no seu pequeno pet, o PetSaúde escolheu 3 dicas pra te ajudar a cuidar dele! Olha só!

Os filhotes de cachorro são criaturinhas frágeis, bonitinhas e encantadoras, porém precisam de alguns cuidados, sobretudo durante os primeiros dias. Muitos pensam que cuidar de um filhotinho é fácil, pois eles não se movimentam muito e são menores em relação à fase adulta. Pra te ensinar direitinho como tratar o seu mais novo amiguinho, o PetSaúde decidiu listar 3 dicas importantes para que tudo ocorra bem. Dá uma olhada!

1 – VACINAÇÃO

A vacinação é um fator de grande relevância para a saúde dos pets, principalmente quando filhotes, já que existem diversas doenças que atacam o organismo dos cachorros. Como os filhotinhos ainda não possuem um sistema imunológico totalmente desenvolvido, uma estratégia essencial para cuidar bem dele é a vacinação. As primeiras doses precisam ser levadas muito a sério pelos donos, uma vez que elas podem significar a vida do seu amiguinho. A primeira dose da vacina deve ser feita com 45 dias e seguida de mais duas doses com intervalos de no máximo 30 dias em cada uma delas.

2 – ALIMENTAÇÃO

Cada fase da vida do cachorro pede por um tipo específico de alimentação. Quando recém-nascido, o dog precisa de bastante leite materno para se fortalecer, mas, quando já começa a desenvolver os dentes, o ideal é oferecer uma ração apropriada para filhotes. Essa ração é à base de leite e deve ser misturada com um pouco de água para que tenha uma textura mais molinha e não machuque o cachorrinho. Além disso, essa comidinha poderá ser oferecida de quatro a cinco vezes por dia, mais ou menos 100g por vez. A água deve ser oferecida sempre fresca e a vontade. É obrigação do dono cuidar de todos esses detalhes!

3 – CASTRAÇÃO

A castração é um fator a ser considerado assim que você decide cuidar de um filhote de cachorro. E se ele for uma fêmea, os cuidados aumentam. Quando a cadelinha completa 6 meses, ela entra no seu primeiro cio, o que pode ser bem traumático e requer uma atenção especial. O ideal, caso você não queira que ela reproduza, é optar pela castração, de preferência antes do primeiro cio. O método, além de evitar a gravidez, protege a fêmea de doenças como câncer de mama e de útero.

FONTE: https://petsaude.net/sem-categoria/3-dicas-para-cuidar-do-seu-filhote-de-cachorro/

Dica: Como passear com um cachorro medroso.

A maioria de nós conheceu ou, pelo menos, viu um cão tímido e temível em algum momento. Talvez um vizinho tenha um, talvez você tenha visto um em um abrigo, ou o seu cachorro é um cão medroso. Por isso o Dog walker ensina de hoje vai te dar dicas para passar com esse animal mais introvertido.

A maioria dos cães que conhecemos são sapecas, alegres e adoram conhecer novas pessoas e lugares, porém essas qualidades podem ficar um pouco escondidas em um cão medroso.

Não é que ele não quer sair para passear ou conhecer coisas novas, ele só tem uma personalidade um pouco diferente, e tudo bem, existem estratégias para que você possa lidar com isso de maneira normal.

Então hoje separamos uma série de dicas para você por em prática e aprender como passar com um cão medroso, ou até mesmo contar para o seu passeador caso ele não saiba ainda e precise melhor o desempenho com seu animal.

Existem períodos críticos no desenvolvimento de um cachorrinho, chamados de “janelas de socialização” e quase toda a personalidade de um cachorro é moldada durante seu primeiro ano de vida, sendo as primeiras 12 semanas as mais importantes.

A sociabilidade supera o medo no primeiro estágio de um filhote de cachorro, tornando esta “a principal janela de oportunidade para cachorros se adaptarem a pessoas, animais e experiências novas”.

Durante este tempo é que um cachorrinho aprende a desfrutar da companhia de pessoas, a agir adequadamente em torno de outros cães e a experimentar uma série de circunstâncias e situações sem medo.

Após as primeiras 12 semanas, a maioria dos cachorros se move para a fase de desenvolvimento inclinada ao medo e depois disso, se o filhote jovem não tiver sido socializado adequadamente, pode ser extremamente difícil para ele se adaptar a pessoas desconhecidas, cães e experiências.

Isso é mais do que um simples inconveniente, a timidez e o medo podem levar a agressões se não forem manipuladas adequadamente.

FONTE: https://kamasa.com.br/dica-como-passear-com-um-cachorro-medroso/

Como conviver bem com vizinhos em condomínio fechado

Se você mora em condomínio fechado, certamente, um de seus maiores problemas é a convivência com seus vizinhos. Essa briga entre vizinhos em condomínio fechado acontece desde que o mundo é mundo, pois sabemos o quão difícil é viver em sociedade, devido às divergências de opiniões.

Mas, aqui neste artigo eu vou te dar muitas dicas importantes para que você comece a conviver em harmonia com os seus vizinhos.

Como lidar com conflitos que envolvem hábitos, espaços comuns, limpeza, festas, barulho, animais de estimação, entre outros fatores? Continua aqui comigo que você vai aprender a solucionar esses problemas da melhor maneira possível.

Dialogue sempre

Antes de tomar qualquer medida contra um vizinho inconveniente, busque dialogar com ele, pois a conversa, muitas vezes, apazigua embates que poderiam acontecer posteriormente.

Mas também não adianta resolver de cabeça quente. Espere a situação passar, se acalme, pense no que vai ser dito e, só então, diga.

Se for necessário, convide para o bate-papo o síndico do condomínio, assim você pode sair da conversa com uma garantia de que o que te incomodava não incomodará mais e, caso volte a incomodar, saberá a providência a ser tomada.

Deste modo todos saem ganhando e os conflitos são resolvidos de maneira civilizada.

Seja empático

Colocar-se no lugar do outro é um ponto muito importante para embates serem resolvidos. Portanto, procure sempre compreender o que leva o seu vizinho a tomar certas atitudes.

Participe das assembleias

Seja participativo nas reuniões que acontecem no seu condomínio, elas ajudam a amenizar problemas, pois as decisões envolvem a todos.

Aproveite-as para sugerir mudanças, melhorias e conhecer os demais moradores. Se você for o síndico do prédio, uma ideia bacana é fazer ações que melhorem o clima de convivência entre os vizinhos em condomínio fechado, como um coffee break, por exemplo, assim os vizinhos se aproximarão ao término da reunião, e se conhecerão mais.

Saiba lidar com as crianças

Uma das maiores brigas entre vizinhos em condomínio fechado é referente às crianças, por isso, ensine para elas as regras do condomínio, pois é importante que elas aprendam a viver em sociedade desde pequenas.

Uma dica que eu dou é que você limite o horário de brincadeiras dentro do seu apartamento, o ideal é que as crianças possam brincar, no máximo, até 22h, para evitar conflitos por conta do barulho. Você também pode aderir a carpetes e tapetes emborrachados nos locais onde elas mais brincam, geralmente no quarto, para controlar os ruídos.

Incentive-as a fazer amizade e aproveitarem a segurança de um condomínio fechado para brincarem nos espaços comuns durante o dia.

Seja exemplo

Este é outro ponto fundamental para se ter uma convivência tranquila entre vizinhos em condomínio fechado. Portanto, siga os passos abaixo:

  • Procure manter o silêncio;

  • Respeite a limpeza e as áreas comuns;

  • Descarte o seu lixo e resíduos da maneira mais adequada;

  • Seja educado e ofereça ajuda sempre que alguém precisar;

  • Respeite os limites das faixas ao estacionar o seu carro, assim como a velocidade de 10 km/h na garagem;

  • Seja cordial nos elevadores;

  • Nunca se esqueça que as regras do condomínio devem ser seguidas por todos.

Viver em sociedade nunca foi fácil, mas com essas regras a convivência entre você e seus vizinhos será muito mais tranquila e amigável.

FONTE: https://imovelmasa.com.br/como-conviver-bem-com-vizinhos-em-condominio-fechado/

Caminhar é ótima arma para combater o sedentarismo

Desculpas para tentar justificar o sedentarismo não faltam: pouco dinheiro, tempo reduzido, lesões antigas, entre outras. Apesar de todas essas alegações, a verdade é que o interessado em ter uma melhor qualidade de vida precisa apenas de um pouco de força de vontade. Não quer levantar pesos ou correr longas distâncias, por exemplo? Sem problema! Basta incluir a caminha em sua rotina diária para usufruir dos benefícios desta atividade simples e de custo bem reduzido, mas que colabora e muito com corpo e mente.

Além de ajudar na boa forma, a caminhada faz muito bem para a saúde, prevenindo problemas do coração, por exemplo. Ela é indicada para todas as idades. Entretanto, é sempre bom consultar um médico para identificar possíveis restrições.

Pessoas que caminham pelo menos três vezes por semana já começam a conquistar resultados satisfatórios, com melhora no condicionamento físico, ajudando ainda no relaxamento e combate ao estresse. Quer perder alguns quilinhos? Então, basta aliar a caminhada com uma dieta balanceada que os resultados vão aparecer.

Benefícios

Esta prática esportiva oferece diversos benefícios para a saúde. Durante a caminhada, por exemplo, o fluxo sanguíneo aumenta, dilatando os vasos e, consequentemente, diminuindo a pressão arterial. Com isso, o coração agradece.

Além disso, caminhar aumenta a capacidade cardiorrespiratória, já que amplia a captação e uso do oxigênio, contribuindo também na eliminação de impurezas.

Quer prevenir a osteoporose? Caminhar ajuda ainda na absorção de cálcio e deixa os ossos mais resistentes. A atividade melhora ainda o equilíbrio e a coordenação motora.

Ao caminhar, o individuo gasta mais calorias do que o corpo está acostumado. Com a ajuda da uma alimentação balanceada, isso significa a queima de gordura e o combate à obesidade.

FONTE: https://www.terra.com.br/vida-e-estilo/saude/caminhar-e-otima-arma-para-combater-o-sedentarismo,f96bdf1aecd4a1682791c2382c840bef7xzhw9m7.html

Plantas em vasos: dicas para acertar no plantio

Para colocar um pouco de cor no seu jardim – ou em algum cantinho especial da sua casa – , nada como um belo vaso de flores. Você pode comprar da sua espécie favorita e transplantar para os vasos de sua preferência. O processo é simples. Confira:

Você vai precisar de:
• pedra brita
• vasos
• folhas de revista (ou manta de drenagem)
• substrato para plantas
• espécies da sua preferência

Como fazer:

Coloque uma camada de pedra brita no fundo do vaso. Essa camada de drenagem ajuda a manter a terra úmida, mas não encharcada. Por cima das britas, coloque folhas de revista ou uma manta de drenagem. A função delas é impedir que a terra saia pelos buracos no fundo do vaso. Acrescente o substrato para plantas e, então, faça o plantio das espécies que você preferir.

Para finalizar, uma dica é bater o vaso no chão – com delicadeza – para que a terra se assente corretamente. Molhe bastante as plantinhas após esse processo.

Vasos para plantas de área externa

Plantas expostas em ambientes externos são aquelas que sobrevivem à luz solar, ar, sujeira, chuva, vento e calor, por isso, aconselhamos que você use vasos de material de qualidade, como cerâmica, madeira de qualidade, cimento ou fibra de vidro. Evite plástico, metal e madeira sem qualidade – eles não suportam as mudanças climáticas e podem acabar danificando a planta.

Vasos para plantas de área interna

Você pode escolher com base na decoração da sua casa. Observe quais são as necessidades da planta para, assim, escolher o tamanho e material corretos. Sempre leve em consideração o ambiente correto da planta, isso faz toda a diferença. É importante que o vaso tenha furos no fundo para proporcionar a drenagem de água.

Agora que você já sabe como escolher, cuide da sua planta e não se esqueça de sempre preparar a terra na hora do plantio com cuidado, o material orgânico pode ajudar bastante nessa hora.

FONTE: https://blog.stihl.com.br/jardinagem/2018/07/plantas-em-vasos-dicas-para-acertar-no-plantio/