Monthly Archives: agosto 2020

Veja dez dicas para se exercitar em seu condomínio

 

Acompanhando a tendência da geração saúde, os condomínios estão estruturando suas áreas comuns com modernos espaços para quem busca fazer atividades físicas sem sair de casa de forma segura e eficaz.

São academias, piscinas, quadras com equipamentos e acessórios que garantem que o exercício seja praticado com melhor desempenho e resultado.

Visitamos a academia do Quartier Lagoa Nova junto com a educadora física Liz Britto e selecionamos alguns dos principais exercícios que podem ser feitos por você agora, dentro do seu condomínio:

1. Avanço:
O exercício exige atenção e equilíbrio. Deve-se estar atento à utilização da carga para evitar possíveis lesões. Ele tem como função trabalhar glúteos máximos e quadríceps femorais.

Execução: em pé, com os pés paralelos e levemente afastados, com um anilha/altere em cada mão. Mantenha o tronco ereto e fique de olho na respiração. Assim que a coxa levada para frente ficar na horizontal, realize a extensão da mesma para retornar à posição inicial.

2. Agachamento:
Pode ser realizado com a variação de ângulos; de 45 até 90 graus ou até mesmo mais profundo, dependendo do nível de condicionamento físico ou das limitações articulares. Esse exercício é o mais completo para o trabalho dos membros inferiores

Execução: pode ser executado com carga corporal, auxílio de alteres, anilhas ou improvisar com algum objeto. Fique atento à postura corporal e o trabalho da respiração durante a execução, para que o exercício seja realizado com segurança.

3. Trabalho de core:
O exercício possui o objetivo de fortalecer a parede abdominal que é o escudo natural da coluna vertebral, proporcionando uma musculatura fortalecida. Ele também é utilizado para evitar lesões posturais, atuando no trabalho de prevenção e condicionamento físico.

Execução: apoiar o antebraço no solo, fazendo a sustentação do peso corporal, as pernas estendidas e os pés paralelos. Mantenha o corpo estático entre segundos ou minutos, de acordo com seu condicionamento físico. Não esqueça de controlar bem a respiração durante a execução.

Esse exercício tem como objetivo desenvolver o trabalho de coordenação motora para corrida

4. Skiping:
Esse exercício tem como objetivo desenvolver o trabalho de coordenação motora para corrida, alinhamento postural e trabalhar o cardiorrespiratório.

Execução: consiste na elevação do joelho na linha do quadril em 90 graus, com a perna de base estendida. Movimentação do braço, ambos em 90 graus. Através dele, desenvolve-se um trabalho de impulsão na perna e repulsão no braço.

5. Supino reto com alteres:

Exercício para desenvolvimento do peitoral e aumento de força.

Execução: pode ser executado com alteres ou com barras, deitado sobre um banco horizontal, fazendo um trabalho com os membros superiores no ângulo de até 90 graus.

6. Flexão de braços:
Um dos exercícios mais utilizados, pois não traz a necessidade de material algum, utilizando-se apenas o peso do corpo. A flexão de braço é o exercício indicado para fortalecer e treinar os músculos peitorais, o tríceps e o deltoide.

Execução: apoiar mãos e pés em quatro apoios, com o objetivo de sustentar o peso corporal, realizando um movimento de extensão e flexão dos braços. Pode ser trabalhado em séries curtas a longas, variando de acordo com seu condicionamento físico. Observar sempre o encaixe no quadril (contraindo o abdômen) para execução de forma segura.

Exercício indicado para fortalecimento dos bíceps femoral

7. Rosca direta:
Exercício indicado para fortalecimento dos bíceps femoral.

Execução: Manter o corpo em extensão com joelhos levemente flexionados, trabalhando o braço no movimento excêntrico ao concêntrico.

8.     Desenvolvimento ombro:
Exercício utilizado para fortalecer a musculatura do ombro.

Execução: apoiando a coluna, fazer um trabalho estabilizado evitando sobrecarga nas articulações. Extensão e flexão dos braços na linha do ombro, elevando ao ângulo de extensão e flexão.

9. Agachamento com arranque:
Exercício com objetivo de proporcionar um trabalho completo para membros inferiores e superiores.

Execução: desenvolvendo um ângulo de 90 graus, segurando anilha, fazendo o movimento de baixo para cima, com os braços proporcionando arranque do objeto. Variação da movimento dos braços de baixo pra cima, passando da linha do ombro.

Exercício para fortalecimento da parede abdominal e trabalho de core

10. Isometria com a bola:
Exercício para fortalecimento da parede abdominal e trabalho de core.

Execução: barriga pra cima. Apoiar as duas mãos na bola com extensão das pernas e dos braços, em um movimento estático isométrico. Aplicação da respiração: de 20 segundos ou mais, variando de acordo com o seu condicionamento físico.

É importante que nos primeiros treinos você seja orientado por um profissional especializado, principalmente para que seja realizada uma avaliação do seu condicionamento físico, objetivos e limitações.

O que vale é não se acomodar e se manter ativo, com a saúde e o bem-estar sempre em dia. Esse é o momento de cuidar do seu corpo e da sua mente! Clique aqui e conheça o Espaço Fitness do Quartier Lagoa Nova e todos os itens de lazer do empreendimento.

Lembre-se: toda prática de exercício físico deve ter acompanhamento médico de um preparador físico.

Fonte: G1 RN

SITE: https://condominiosc.com.br/radar/2272-veja-dez-dicas-para-se-exercitar-em-seu-condominio

PLANTAS NA DECORAÇÃO: 5 DICAS PARA NÃO ERRAR NESSA TENDÊNCIA

Usar plantas na decoração é uma ótima forma de trazer mais bem-estar e aconchego para a casa. Afinal, os tons de verde quebram o ambiente excessivamente urbano, trazendo vida e boas energias para dentro do lar.

É com base nesse conceito que as plantas na decoração têm se tornado uma forte tendência. Chamado também de urban jungle – ou floresta urbana, em português –, o estilo possui vantagens para além do campo estético. Ele ajuda até mesmo na saúde dos moradores, melhorando a qualidade do ar e reduzindo o estresse, entre outros benefícios.

Mas, lembre-se: para cultivar plantas em casa, é preciso planejamento e alguns cuidados. Por isso, se deseja adotar o urban jungle, confira estas dicas para não errar no décor!

 

5 dicas para usar plantas na decoração

 

decoração-com-plantas-2

 

1. Escolha plantas adequadas às condições ambientais

 

A escolha das plantas não deve levar em consideração apenas a estética. Para criar uma urban jungle em casa, é necessário, antes de tudo, conhecer as condições do ambiente e as necessidades das folhas.

Fatores como temperatura, umidade, iluminação e ventilação devem ser adequados para cada espécie. Existem plantas para a área interna da casa que podem ser cultivadas nos mais diversos cômodos.

Para isso, você pode, por exemplo, posicionar as que necessitam de mais umidade no banheiro. Já as que gostam de iluminação, podem ser colocadas perto das janelas. Caso a planta escolhida precise de bastante sol, é recomendável que fique em áreas externas.

decoração-com-plantas-3

 

2. Conheça bem as características das plantas

 

Além das necessidades das plantas, é preciso conhecer suas características. A costela-de-adão, por exemplo, é tendência na decoração. Mas é importante saber que ela tem folhas tóxicas, que podem causar malefícios à saúde se consumidas. Por isso, caso você tenha crianças ou animais em casa, deixe-a em um local fora de alcance.

Outras plantas precisam de maiores cuidados depois de plantadas, como irrigação constante, poda ou adubação. Já as plantas mais rústicas, como o antúrio e o cacto, exigem menos cuidados. Portanto, considere a sua rotina e a dedicação necessária para cuidar de uma floresta urbana.

decoração-com-plantas-5

 

3. Aposte nas hortaliças e temperos

 

Para quem deseja inserir plantas na decoração e, de quebra, ganhar em utilidade, basta apostar nas hortas. Essa é uma ótima forma de trazer o verde para dentro de casa sem grandes dificuldades de cultivo.

Em pequenos vasos, você pode plantar hortaliças e temperos. Além de dar um toque especial no décor da cozinha, você tem a praticidade de ter as ervas sempre que precisar – e sem contar os benefícios que essas plantas trazem para a saúde.

decoração-com-plantas-4

 

4. Verifique o espaço disponível para as plantas

 

Mais um cuidado importante para inserir as plantas na decoração é conhecer o tamanho da espécie. Algumas, como a árvore-da-felicidade ou a palmeira ráfia, necessitam de um espaço amplo.

Outras podem ser bastante altas, como o coqueiro, a espada de São Jorge ou a palmeira-leque, que pode chegar até os três metros de altura. Uma solução nesses casos é colocá-las no canto da sala. Mas, ainda assim, é fundamental definir previamente o local em que a planta será posicionada e averiguar se o ambiente comporta seu crescimento saudável.

Para quem mora em apartamento ou não tem muito espaço em casa, uma boa ideia é o jardim vertical ou as plantas pendentes. Além de otimizarem o espaço, essas soluções trazem beleza ao servir como decoração das paredes ou ficando suspensas no ambiente.

decoração-com-plantas-6

 

5. Não exagere no conceito de floresta

 

Quando pensamos no conceito de floresta urbana, logo imaginamos o verde em abundância, não é mesmo? Mas você não precisa se restringir a ele. Flores com diferentes tonalidades também são muito bem-vindas na urban jungle. Além de dar o toque da natureza, elas são um ótimo elemento decorativo.

Para não pesar o ambiente, o recomendável é harmonizar o verde das folhagens e o colorido das flores com o restante da decoração. Combine diferentes texturas, formatos e cores para dar um charme a mais no seu espaço.

Como você pode ver, não há grandes segredos para inserir plantas na decoração. Com essas dicas, você pode montar uma floresta urbana em sua casa e ter os benefícios da natureza no dia a dia.

FONTE: https://www.weg.net/tomadas/blog/decoracao/plantas-na-decoracao-5-dicas-para-nao-errar-nessa-tendencia/

SITE: https://www.weg.net

10 formas de combater a dengue que você precisa saber!

Com a chegada do verão, é comum ter o aumento das incidências da dengue. Isso acontece devido às chuvas, que geram mais focos de água parada, locais para a proliferação do transmissor da doença, o Aedes Aegypti. Por isso, trazemos hoje 10 formas de combater a dengue.

Em princípio, é preciso tomar cuidado com esse vírus, já que ele pode levar à morte em casos mais graves. Por isso, é importante que você saiba mais sobre a dengue. Vamos começar?

A dengue, seus sintomas e tratamento

Antes de mais nada, é preciso saber que o vírus da dengue pode ser encontrado em 4 formas: DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4. Sendo assim, todos os tipos provocam os mesmos sintomas, variando apenas na dengue hemorrágica.

Dengue clássica

Esse é o quadro mais leve da dengue e pode até ser confundido com uma gripe. Sendo assim, os sintomas duram de cinco a sete dias, com sinais como:

  • Febre de 39°a 40°C;
  • Dor atrás dos olhos;
  • Manchas vermelhas na pele;
  • Indisposição;
  • Dores musculares e nas articulações;
  • Cansaço;
  • Dores de cabeça;
  • Enjoos;
  • Vômitos etc.

E a dengue hemorrágica?

Primordialmente, ela causa alterações na coagulação sanguínea e, se não tratada com rapidez, pode até mesmo levar à morte. Além dos sintomas da dengue clássica, esse tipo causa ainda:

  • Fortes dores abdominais;
  • Confusão mental;
  • Pele pálida e úmida
  • Sangramento pelo nariz, gengiva e bocas;
  • Dificuldades respiratórias;
  • Sede em excesso;
  • Pressão sanguínea baixa etc.

Como é o tratamento?

O tratamento é feito com repouso e a ingestão de muito líquido, para evitar a desidratação. Já os cuidados em caso de dengue na gravidez exigem ainda mais atenção, porque a doença pode levar à perda do bebê.

Havendo febre, pode ser receitado um antitérmico como o paracetamol. Porém, para casos mais graves, a internação é necessária para fazer a hidratação endovenosa.

10 formas de combater a dengue

A saber, a prevenção ainda é a melhor maneira para evitar a dengue e outras doenças causadas pelo Aedes Aegypti.

Então, para combater o mosquito da dengue, basta seguir essas dicas.

1. Elimine os cacos de vidro

Primeiramente, vede os cacos de vidro nos muros usando cimento. No quintal, remova todos aqueles que podem acumular água.

2. Embale as garrafas

Seja garrafa PET ou de outro material, é preciso embalar e descartar corretamente, cobrindo ou deixando a boca para baixo.

3. Deixe as lajes secas

Não deixe que a água acumule em sua laje. Essas pequenas poças são um local propício para a criação do mosquito da dengue.

4. Cubra o vaso sanitário e os ralos

Esses locais acumulam água parada, por isso devem ser vedados ou cobertos se não estiverem em uso.

5. Mantenha a piscina limpa

Também é preciso cuidar de sua área de lazer. Por isso, deixe sua piscina sempre limpa e bem tradada, usando cloro e o filtro com regularidade.

6. Cuide de baldes e vasos de plantas vazios

Guarde esses recipientes em um local coberto e com a boca para baixo. Evite plantas que acumulam líquido ou retire a água das folhas toda semana.

7. Observe lugares com água parada

Cuide de falhas no piso, pneus sem uso, tonéis, cisternas, poços ou caixas de água. Mantenha todos fechados ou cobertos. Dessa forma, o mosquito não terá onde depositar seus ovos.

8. Conserve as vasilhas dos animais limpas

Os potes com água de seu gato ou cachorro devem ser lavados, pelo menos, duas vezes por semana. Para isso, use sabão e água corrente.

9. Coloque areia nos pratinhos dos vasos de planta

Coloque areia até a borda dos pratinhos e cuide para que eles estejam sempre higienizados.

10. Trate objetos decorativos que contenham água

Deixe os objetos de decorativos com água tratada com cloro. Além do mais, você também pode criar peixes, porque eles se alimentam com as larvas do transmissor da doença.

FONTE: https://www.corretoracedro.com.br/blog/10-formas-de-combater-a-dengue-que-voce-precisa-saber/

SITE: https://www.corretoracedro.com.br

Como cuidar dos animais de estimação durante o frio?

Baixas temperaturas também podem afetar os animais que não estão livres das doenças da estação. Patas, narizes e orelhas precisam de atenção especial durante os meses de inverno. Pet molhado e tremendo de frio é doença certa! Pet saudável e bem alimentado consegue regular melhor sua temperatura interna. Mas não subestime a saúde de seu animal. A seguir, algumas dicas para que seu pet tenha um inverno bem aquecido.

Para os animais que ficam fora de casa

Para quem tem cães de guarda, o aliado à segurança da família merece um abrigo seguro para se proteger do vento, chuva e frio. Independente do material constituído, as casinhas de cachorro devem estar dispostas de forma a não receber rajadas de vento. Da mesma forma, seria interessante respeitar uma boa orientação solar para que ela receba a maior quantidade possível de raios solares durante o dia.

Verifique se existe alguma goteira que comprometa o conforto térmico do local. Se você tem o costume de oferecer cobertas, trocá-las semanalmente auxilia a manter a saúde da pele e pelos do animal. Nunca deixe seu cão em cobertores molhados.

Alimentação

Talvez seja interessante aumentar um pouco o aporte energético do cão que dorme fora de casa. Alguma coisa em torno de 15% favorece a produção de uma camada de gordura, ganhando assim um aliado à manutenção do calor do corpo. Em caso de doença, estar com um pouco de reserva também auxilia na recuperação. Cães enfermos podem ficar alguns dias sem querer se alimentar. Pergunte ao veterinário sobre o estado corporal de seu cão antes de aumentar a quantidade de ração.

Roupas

Nada contra se seu cão aceitar roupas no inverno, mas jamais deixe-as molhadas sobre o corpo dele. Se você tem um gato que tem livre acesso à rua, tenha em casa um local aquecido e pronto para recebê-lo. Se possível, permita a ele passeios mais curtos nessa época do ano e isso vale também para os cães. Algumas pessoas acostumaram seus pets a caminhar com sapatilhas especiais que protegem as patas da umidade e do frio. Mas se seu cão não se adaptou, deixar os pelos entre os dedos das patas mais curtos facilita a secagem quando o animal voltar para casa.

Quem tem pássaros pode ter que trocar a gaiola de lugar no período de inverno. O abre e fecha de portas e janelas pode prejudicar a saúde deles. Sem esquecer que gaiolas também precisam ser cobertas à noite, o que auxilia a manter o calor.

Para os animais que ficam dentro de casa

O vilão dos animais que ficam no ambiente interno são as mudanças bruscas de temperatura. Na hora de sair, é bom o uso de vestuário adequado e perder alguns minutos na cozinha, antes de ir à rua, é uma forma de seu cão se adaptar à diferença de temperatura de forma lenta e progressiva. Alguns também sofrem com o ar condicionado por ressecar as vias respiratorias. Animais que vivem dentro de casa já não necessitam de reforço alimentar, pelo contrário: por se exercitar menos nessa época do ano, os pets tendem a engordar.

Cuidado especial para quem costuma dar banhos no seu pet em casa. Nunca deixe o animal se secar sozinho, mesmo em ambiente seco. Nosso inverno é úmido e cães e gatos peludos podem desenvolver fungos nos pelos. Para aqueles sem cobertura pilosa, como os pinschers, uma roupinha vai muito bem, mas deve-se respeitar momentos sem roupas para a ventilação da pele.

Os animais que sofrem de reumatismo, mais comum em animais velhos, terão suas dores aumentadas com o inverno. O ideal é deixá-lo em um ambiente quente e longe das correntes de ar, como porta e janelas. Se é um animal de livre trânsito pelo pátio, melhor seria confiná-lo durante os períodos mais frios. Animais velhos ou covalescentes também precisam desse cuidado.

E para quem leva seus mascotes para regiões de frio extremo, é bom lembrar que nossos cães não estão acostumados com neve, muito menos estamos habituados a nos preocupar com as extremidades dos corpos deles. Produtos específicos para a proteção das extremidades dos cães costumam ser vendidos em pet shops locais.

Doenças Respiratórias

Vilãs do inverno, animais envelhecidos, convalescentes ou que atravessam um período de baixa imunidade podem ter seus efeitos agravados, prejudicando ainda mais sua saúde. Para alguns agentes patológicos, o uso preventivo da vacina continua sendo uma boa opção. Consulte um veterinário.

FONTE: https://gauchazh.clicrbs.com.br/donna/mundo-pet/noticia/2016/04/como-cuidar-dos-animais-de-estimacao-durante-o-frio-cjpyj9m0v001itncnn451bq4c.html

SITE: https://gauchazh.clicrbs.com.br

10 dicas para manter uma alimentação saudável

Com o fim do verão e a chegada do outono e do inverno, acabamos modificando alguns hábitos para que o corpo consiga se aquecer. Para mantermos uma alimentação saudável durante as estações mais frias do ano, conversamos com a nutricionista Cintia Squeff, que nos contou 10 dicas para colocar em prática nessa época. Segundo ela, são inúmeras as maneiras de enfrentarmos o frio, mas precisamos estar atentos a algumas mudanças do nosso organismo.

– Quando aquecemos nosso corpo, diminuímos automaticamente o ritmo do metabolismo. O frio faz com que as quebras moleculares e o gasto de energia produzida pela gordura sejam mais rápidos. Por isso, sempre que queremos acelerar o metabolismo, precisamos fazer o inverso e controlar a temperatura dos alimentos, nada pode ser muito quente – explica Cintia.

1. CONSUMA ALIMENTOS RICOS EM VITAMINAS A, B E C
“Durante o outono e o inverno é preciso aumentar a prevenção de resfriados e gripes, que são doenças típicas dessas estações do ano. Para isso, consuma alimentos ricos em vitaminas A, B e C. Pera, maçã, goiaba, abacate, figo, banana, laranja, mamão, maracujá e melancia são ótimas fontes de nutrientes.”

2. CUIDE A HIDRATAÇÃO
“Nas estações mais frias do ano, é comum ingerirmos uma quantidade menor de água do que no verão, por exemplo. Uma ótima opção para outono e inverno é beber chás. O importante é cuidar da hidratação e estar sempre consumindo líquidos. Água é essencial.”

3. NÃO EXAGERE EM ALIMENTOS GORDUROSOS E BEBIDAS ALCOÓLICAS
“Em dias de frio, o corpo precisa de mais energia, por isso deve-se evitar exagerar em alimentos gordurosos ou em bebidas alcoólicas, para não exceder o número necessário de calorias.”

4. CONTROLE O ÍNDICE CALÓRICO E NUTRICIONAL
“É muito comum buscarmos aquecer o corpo com alimentos quentes, mas eles acabam gerando um acúmulo maior de calorias. Os alimentos gordurosos contêm cerca de nove calorias por grama, por exemplo. Por isso, é importante buscar um profissional para saber sua indicação calórica e nutricional necessária.”

5. APOSTE EM SOPAS E CREMES
“Uma ótima alternativa para se esquentar com saúde é preparar sopas, cremes e ensopados com legumes. Abobrinha, aspargo, berinjela, brócolis, chuchu, couve, espinafre, palmito, pepino, rabanete, beterraba e cenoura são excelentes opções.”

6. UTILIZE TUBÉRCULOS COMO ACOMPANHAMENTO
“Os tubérculos são alimentos com caule arredondado, como aipim, batata e batatadoce. Utilize-os como acompanhamento durante as refeições.”

7. CONSUMA LEGUMINOSAS
“As leguminosas são excelentes fontes de nutrientes para o organismo, principalmente por serem ricas em proteínas e minerais. Por isso, elas devem fazer parte do seu cardápio durante o outono e inverno. Feijão, lentilha, grão-de-bico, vagem, milho e ervilha são exemplos de leguminosas.”

8. OPTE POR CARNES ASSADAS OU COZIDAS
“Nada como comer um bom corte de carne em dias frios, não é mesmo? Mas, opte por carnes assadas ou cozidas, que são modos de preparos mais saudáveis e que não precisam levar gordura.”

9. CONTROLE A TEMPERATURA DE SEUS ALIMENTOS
“A alta temperatura dos alimentos faz com que eles deixem de ser saudáveis, tornando-se agentes tóxicos para o nosso organismo. A dica para avaliar a temperatura é testar se é possível segurar a caneca ou o prato com as mãos. Se for, quer dizer que o alimento está na temperatura ideal para o seu corpo. Caso contrário, é melhor deixar esfriar. Cada pessoa aguenta uma temperatura, por isso o melhor é fazer o teste.”

10. CUIDE OS EXCESSOS
“Para ter uma alimentação saudável é preciso controlar a alimentação e não exagerar durante as refeições. No outono e no inverno não é diferente, equilíbrio é tudo.”

FONTE: https://gauchazh.clicrbs.com.br/destemperados/noticia/2017/03/10-dicas-para-manter-uma-alimentacao-saudavel-ckbpll1ko003xq2sllvbzwq4z.html

SITE: https://gauchazh.clicrbs.com.br

Como se prevenir contra o coronavírus?

Neste momento de pandemia do novo coronavírus, é muito importante que você siga as orientações do Ministério da Saúde e dos governos estaduais e municipais. Cada um de nós precisa fazer a sua parte.

– Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, incluindo o espaço entre os dedos, unhas e punhos;

– Lavar as mãos principalmente antes de comer e após tossir ou espirrar

– Se não tiver água e sabão, usar desinfetante para as mãos a base de álcool

– Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas;

– Usar lenço descartável para higiene nasal;

– Cobrir nariz e boca ao espirrar ou tossir com um lenço de papel descartável ou com a parte interna do cotovelo (nunca as mãos);

– Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;

– Manter os ambientes bem ventilados;

– Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência, como celulares;

– Evitar contato com pessoas que não estejam no seu convívio muito próximo;

– Evitar sair de casa;

– Se precisar sair, usar máscara (comprada ou caseira) como medida de proteção coletiva;

– Evitar locais de aglomeração;

– Pessoas doentes devem permanecer em casa e, caso a doença se agrave, procurar a unidade básica de saúde;

– Grupos vulneráveis , como idosos, crianças, gestantes, pessoas com doenças crônicas ou com imunodeficiência, devem ficar mais atentos às manifestações clínicas;

– Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (máscara cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).

Sua casa não recebe muita luz? Veja como cuidar bem das plantas

Dá para investir no verde e manter suas plantinhas bonitas dentro de casa mesmo com pouca luz solar!

Se você ama plantas mas mora em uma casa ou apartamento que não recebe muita luz, saiba que nem tudo está perdido. Existem diversas espécies que se contentam com uma pequena dose diária de sol e até outras que preferem ficar à sombra. Ainda assim, pode ser frustrante não poder cultivar aquela planta especial por causa do ambiente em que você vive. Algumas plantas populares, como suculentas e figueiras, muito raramente prosperaram sem uma luz solar brilhante, mas alguns ajustes estratégicos de design podem fazer a diferença. O site Architectural Digest listou truques para resolver esse problema. Confira:

Invista nos espelhos

Além de deixar um ambiente visualmente maior, espelhos refletem luz e ajudam a iluminar os cantos escuros de sua casa. Se você não tem espaço para pendurar ou encostar um espelho, diversas empresas oferecem alternativas de alta tecnologia: o Caia, da marca Solenica, por exemplo, é movido a energia solar e pode ser colocado em qualquer superfície plana para direcionar a luz diretamente em suas plantinhas.

Iluminação LED

Com baixo calor e alta energia, as luzes de LED podem ser muito eficazes para ajudar sua planta a prosperar. Lembre-se de usar uma luz azul para folhagens e uma vermelha para plantas com flores. Recomenda-se que as plantas recebam luz artificial por cerca de 8 a 12 horas diárias. Se o caule e as folhas estiverem muito fracos, é sinal de que a planta precisa de mais tempo de exposição.

Use vasos suspensos

Não há espaço no chão de casa ou um cantinho para colocar uma luz extra? Pendurar vasos é uma boa alternativa para investir no verde dentro casa quando os ambientes são pequenos. Por estarem suspensas no ar, as plantas recebem mais luz do que se estivessem em outras áreas. Basta posicioná-las perto de uma janela ou fonte de luz.

Seja criativo

Se os vasos suspensos não fazem seu estilo, repense as opções para colocar sua planta. É possível construir prateleiras nas paredes mais próximas das janelas, por exemplo, ou até mesmo encostar uma escada vertical e usá-la como estante. Invista em soluções criativas para que o cantinho verde receba a quantidade de luz necessária para prosperar.

Quais os diferenciais que um condomínio fechado pode lhe oferecer?

Morar em condomínio é uma tendência cada vez maior nos dias atuais. E não é para menos, existem diversas diferenças para a vida de quem opta por esse tipo de habitação.

Se você já se perguntou quais seriam os benefícios de morar em um condomínio fechado, este texto é para você. Continue lendo nosso blog e descubra todas as diferenças e vantagens disponíveis nessa morada!

  1. Segurança

Como não falar sobre esse fator que é um dos mais importantes, há quem pense que morar em condomínio e ruim, mas a partir do momento em que algum imóvel na rua é assaltado, temos de tomar providências e acabamos reféns no nosso próprio lar.

Em um condomínio fechado, todas essas preocupações se dissipam. Não importa se o condomínio é de casas ou de sobrados, todos têm guarita e são cercados. Só isso já é uma grande diferença. Além disso, muitos dos condomínios contam com sistema de monitoramento, o que traz ainda mais segurança para os moradores.

Todo o sistema de segurança de um condomínio, desde os portões até o cadastro de visitantes, ajuda a ter maior controle sobre quem entra e sai do espaço, aumentando em muito a segurança do local.

Dessa forma, as crianças podem brincar com liberdade e você não precisa se preocupar quando for viajar no fim de semana; sempre terá alguém zelando pelo seu imóvel.

2. Lazer

Já que falamos sobre as crianças, saiba que em um condomínio fechado, especialmente os horizontais (de casas), as opções de lazer são inúmeras. Pois temos parquinhos para as crianças, piscina, salão de jogos etc.

Além das opções para as crianças, ainda temos diversos atrativos para os adultos, como academia, espaço gourmet, salão de festas etc.

Para ter acesso a tudo isso morando em um prédio ou casa, seria muito mais dispendioso. A vantagem é que em um condomínio as despesas de construção e manutenção desses espaços é dividida por todos.

3. Comunidade

Provavelmente, você não deve conhecer muito bem os seus vizinhos, ainda mais se mora em um prédio.

É muito difícil termos contato com as pessoas que moram ao nosso redor. Quando muito, cruzamos com elas no elevador ou na garagem.

Em um condomínio de casas, o senso de comunidade é completamente diferente. Com tantos espaços de lazer em comum, a necessidade de tomada de decisão em conjunto — por meio de assembleias — é muito comum criar laços e amizades com os vizinhos.

Para as crianças, o benefício é ainda maior. Grupos de amigos acabam se formando. As crianças crescem juntas e constroem uma forte amizade. E o senso de fazer parte de um grupo é muito importante na formação de bons cidadãos.

4. Privacidade

Morar em uma casa ou em um prédio sem condomínio pode trazer alguns inconvenientes. Vendedores ambulantes costumam passar e atrapalhar nossos momentos de descanso.

Alguns até tocam o interfone para tentar nos oferecer algum produto, que geralmente não precisamos.

A guarita do condomínio barra todos esses inconvenientes e, a menos que você tenha solicitado a visita de algum consultor, dificilmente precisará lidar com esse tipo de inconveniente.

5. Manutenção

Condomínios fechados, têm administradoras por trás para gerenciar todo o dia a dia, além dos cuidados que são necessários com os espaços de lazer, a garagem e as próprias moradias. Dependendo do condomínio, existem muitos funcionários.

Qualquer problema ou imprevisto pode ser rapidamente solucionado com a ajuda da administração. Você não precisará se preocupar em chamar um profissional que não conhece bem e provavelmente vai lhe cobrar os olhos da cara. Viver com essa sensação de amparo é tranquilizante.

6. Estilo de vida

Existem normas de conduta a serem seguidas em um condomínio fechado, isso faz com que os moradores que procuram esse tipo de moradia sejam pessoas mais disciplinadas e propensas a conviverem bem.

Viver harmoniosamente com as pessoas com as quais dividimos o espaço ajuda a combater o estresse do dia a dia.

7. Investimento

Comprar um imóvel em um condomínio fechado é um investimento para o futuro. Ele sempre vai se valorizar, principalmente porque o bairro costuma se desenvolver com a chegada dos condomínios, o que eleva ainda mais o valor do imóvel.

FONTE: https://www.petropolisconstrucoes.com.br/novidades/quais-os-diferenciais-que-um-condominio-fechado-pode-lhe-oferecer/

SITE: https://www.petropolisconstrucoes.com.br

DENGUE: FIQUE ATENTO AOS SINTOMAS E SAIBA COMO SE PREVENIR

 

A transmissão acontece pela picada da fêmea do mosquito Aedes Aegypti, que pode ingerir o vírus ao picar uma pessoa infectada. Depois do período de incubação, esse vírus pode ser transmitido para outras pessoas que forem picadas pelo mesmo inseto.

O vírus da dengue não é transmissível de uma pessoa para outra, a não ser em casos de “transmissão vertical” (da gestante para o bebê, ou por transfusão sanguínea).

SINTOMAS E EVOLUÇÃO DA DOENÇA

A dengue pode variar desde uma doença assintomática (ou seja, sem manifestação de sintomas), até quadros graves com hemorragia e choque, podendo causar morte.

Normalmente, o primeiro sintoma da dengue é a febre alta (39° a 40°C) de início repentino, que geralmente dura de 2 a 7 dias, acompanhada de dor de cabeça, dores no corpo e articulações, prostração, fraqueza, dor atrás dos olhos e erupções cutâneas. Também é comum ocorrerem náuseas e vômitos, que resultam em perda de peso.

Nessa fase febril, é difícil diferenciar a doença de outras enfermidades. Por isso, é importante consultar um médico em caso de suspeita.

No período de diminuição ou desaparecimento da febre, a maioria dos casos evoluem para a recuperação e cura da doença. Porém, algumas situações podem evoluir para as formas mais graves da doença, apresentado os seguintes sinais de alarme:

  • Dor abdominal intensa e contínua, ou dor quando o abdome é tocado;
  • Vômitos persistentes;
  • Acúmulo de líquidos;
  • Sangramento de mucosas (principalmente nariz e gengivas);
  • Letargia (perda de sensibilidade e movimentos) ou irritabilidade;
  • Hipotensão postural (tontura e queda de pressão em determinadas posições)
  • Hepatomegalia (aumento do fígado) maior do que 2 cm;
  • Aumento progressivo do hematócrito (porcentagem de glóbulos vermelhos ou hemácias no sangue).

Nos casos mais graves, esses sintomas resultam em choque, que acontece quando um volume crítico de plasma é perdido. Os sinais desse estado são pulso rápido e fraco, diminuição da pressão, extremidades frias, pele pegajosa e agitação. Alguns pacientes podem ainda apresentar manifestações neurológicas, como convulsões e irritabilidade. O choque tem duração curta, e pode levar ao óbito em 12 a 24 horas, ou à recuperação rápida, após terapia antichoque apropriada.

TRATAMENTO

Independente do estágio da doença, é preciso procurar a orientação de um médico, que pode recomendar um acompanhamento ambulatorial nos casos mais simples, até encaminhar o paciente para internação em unidade de terapia intensiva nas ocorrências mais graves.Como não existem medicamentos específicos para combater o vírus, nos casos de menor gravidade, quando não há sinais de alarme, a recomendação é fazer repouso e ingerir bastante líquido, como água, sucos, soro caseiro ou água de coco.

PREVENÇÃO

Não existem medidas de controle específicas para o ser humano, já que não existe nenhuma vacina ou droga antiviral. Então, o único jeito de prevenir a doença é o combate ao mosquito da dengue.

Para isso, é fundamental manter o domicílio sempre limpo e atentar ao acúmulo de água em locais abertos, evitando assim a proliferação de mosquitos.

Em caso de surtos, roupas que minimizem a exposição da pele podem proteger contra as picadas do inseto, assim como mosquiteiros e telas para janelas e portas. Repelentes também podem ajudar, desde que usados conforme as instruções do rótulo.Os inseticidas domésticos também são ótimos aliados para evitar as picadas dos mosquitos em ambientes fechados. Eles podem ser encontrados nas versões aerossol, espiral ou vaporizador.

FONTE: https://www.pfizer.com.br/noticias/dengue-fique-atento-aos-sintomas-e-saiba-como-se-prevenir

SITE: https://www.pfizer.com.br/

Alimentação saudável na quarentena: 6 dicas especiais para você cuidar durante o isolamento social

Em tempos de quarentena, manter uma alimentação saudável e balanceada é fundamental para sua melhorar seu sistema imunológico e fortalecer seu organismo  

Com a situação de isolamento social provocado pela pandemia do novo coronavírus, não é um exagero constatar que a sociedade tem passado por uma grande transformação em sua rotina em um contexto global.

Para conter a disseminação do Covid-19, a quarentena se tornou realidade para todos, exigindo uma reestruturação geral de práticas profissionais e pessoais. Assim, além de cuidar da inteligência emocional neste momento difícil, é de suma importância manter um cuidado com a alimentação, pois isso vai garantir um fortalecimento do sistema imunológico, o que é fundamental para o seu organismo estar preparado para enfrentar o vírus no caso de uma possível contaminação.

Neste artigo, vamos mostrar 6 dicas de práticas alimentares para você que é estudante do UniOpet cuidar melhor da sua alimentação nessa quarentena.

Tome nota:

1) Pratique o “mindful eating”

Você já viu aqui neste outro artigo que as práticas de Mindfulness ajudam na manutenção de uma vida mais equilibrada e saudável, focada na percepção do agora. Segundo esta mesma lógica, existe o “mindful eating”, que nada mais é do que a prática de uma “alimentação consciente” que visa harmonizar emoções e alimentação.

Trata-se do ato de comer focando sua consciência plena no momento e na experiência presente, se contrapondo ao “modo automático” que geralmente ligamos na cabeça quando vamos comer.

2) Atente-se ao comportamento à mesa

Sente-se à mesa de forma confortável, com seu corpo bem apoiado. Preste atenção em cada alimento do seu prato.

Não se concentre nos nutrientes ou nas calorias ingeridas, mas sim na alimentação como um todo. E não se distraia com celular, TV ou discussões neste momento.

Assim a experiência de sua alimentação será consciente e prazerosa.

3) Busque variedade nos pratos

Indiscutivelmente as diferenças nas manifestações dos sintomas da Covid-19 estão diretamente ligadas à maneira de se alimentar.

Então se o objetivo é ficar protegido, comer de forma variada vai garantir um sistema imunológico bem equilibrado, contudo isso não repele uma possível contaminação. Portanto fuja de saladas só com alface, tomate e cenoura e busque beterrabas, brócolis, couve-flor, vagem, abobrinha etc.

Quanto mais colorido o seu prato, melhor. E a variação é imprescindível.

4) Fragmente a alimentação

Agora é hora de ter muito cuidado com a alimentação porque as pessoas estão presas em casa, e confinamento é como sedentarismo. Ou seja, precisamos controlar a alimentação de olho na obesidade.

Para evitar a tentação de comer excessivamente ao passar o tempo todo em casa, é recomendado fazer seis refeições por dia, independentemente da hora em que acordar: café da manhã, colação (refeição intermediária entre o desjejum e o almoço), almoço, lanche da tarde, janta e ceia, sem porções exageradas.

5) Foque nos vegetais, frutas e grãos

Para conferir uma boa imunidade ao organismo, priorize as refeições baseadas em comida, especialmente vegetais e frutas, e tenha cuidado com a ingestão de vitaminas ou minerais em cápsula.

Alface, tomate, cenoura, pimentão, abóbora, abobrinha, são todos alimentos que possuem grandes quantidades de vitaminas e antioxidantes, fibras e água, que contribuem para a hidratação e o bom funcionamento do sistema imunológico.

E não deixe de incluir grãos como feijão, lentilha e grão-de-bico nas suas refeições.

6) Higienize os alimentos

Além de se conscientizar sobre a ingestão dos alimentos é fundamental higienizá-los adequadamente neste momento de infecção viral. Ao comprar frutas no supermercado, lembre-se que elas estão expostas a todos, portanto é muito fácil levar um alimento contaminado para casa.

Dessa forma, toda vez que você chegar em casa com as compras, higienize os alimentos com hipoclorito (dilua 20 ml de água sanitária em 1 litro de água normal), e não se esqueça de higienizar também todas as embalagens com álcool 70% e água e sabão.

Embora as aglomerações estejam sendo controladas, o vírus continua circulando na sociedade porque pode sobreviver até 24h em superfícies.

FONTE: https://www.opet.com.br/blog/interna/alimentacao-saudavel-na-quarentena-6-dicas-especiais-para-voce-cuidar-durante-o-isolamento-social

SITE: https://www.opet.com.br