Yearly Archives: 2020

Dicas para evitar o latido de cachorro

Se você não está certo da causa ou causas que podem provocam o latido em cachorros, o ideal é buscar ajuda de um profissional para que te ajude nesse processo. Muitos tutores pensam que o seu cachorro late por agressividade quando, na verdade, é por medo. Outros podem pensar que o cachorro tenta “chamar à atenção” quando, na verdade, a causa é solidão excessiva.

Por esse motivo, se você não tem experiência ou não sabe exatamente o que acontece com o seu melhor amigo, o melhor e mais apropriado é buscar ajuda de um especialista. Além disso, não se esqueça que nem todas as técnicas são válidas, alguns conselhos podem, inclusive, piorar a situação. Por exemplo, métodos como coleiras anti latidos, castigos, exposição forçada a estímulos constantes dos quais o cachorro tem medo, etc, podem provocar uma piora do comportamento e aumentar o latido do cachorro.

Confira nossas dicas para evitar o latido de cachorro que vão ajudar no bem estar do animal e te ajudará a cuidar dele de forma positiva. Essas dicas são usadas, principalmente, em cachorro com problemas graves de estresse, por isso o objetivo é fazer com com que o cachorro fique mais tranquilo e melhore o comportamento.

  1. Promova a tranquilidade e relaxamento do animal, tanto em casa como no exterior. Faça carinhos suaves de forma sensível cada vez que ele se encontre relaxado;
  2. Se o seu cachorro conhece o significado da palavra “Não”, use-a quando ele latir sem motivo;
  3. Faça exercício com o seu animal para combater o estresse;
  4. Em situações estressantes ou assustadoras, procure abandonar o local e ir para um lugar mais seguro para o cachorro;
  5. Procure passear o animal em horários e locais tranquilos para evitar que ele lata. Quando notar melhoras, poderá tentar passeá-lo em momentos e locais com maior atividade;
  6. Não force o contacto ou interação com outros cachorros ou pessoas contra a vontade do animal. Quando ele se sentir preparado, terá a iniciativa e tentará interagir;
  7. Passeie o cachorro na grama e deixe-o cheirar tudo à vontade durante o passeio. Isso vai deixá-lo mais relaxado e tranquilo;
  8. Seguir todas estas regras de forma constante fará com que, pouco a pouco, o cachorro reaja com mais tranquilidade. É essencial que o tutor seja constante e absorva tudo de forma positiva. Você não tem nada a ganhar ao forçar o pet a fazer algo que ele não quer.

Para fazer cachorro parar de latir nunca devem ser usadas coleiras estranguladoras ou com descargas elétricas. Isso pode dar origem a uma atitude negativa e agressiva da parte do cachorro, que pode virar-se contra o tutor e contra os seus familiares.

É importante recordar que cada cachorro é diferente e que estes conselhos nem sempre podem funcionar. Recomendamos que consulte um especialista que compreende perfeitamente as causas dos latidos e possa aconselhar as melhores técnicas para o caso. Boa sorte!

Se deseja ler mais artigos parecidos a Conselhos para evitar latido de cachorro, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Problemas de comportamento.

7 dicas de como montar uma rotina com as crianças em casa

Especialistas ajudam pais a manter os filhos entretidos nesse período de isolamento social por causa do coronavírus.

O alerta para conseguimos reverter o cenário de pandemia do coronavírus (Covid-19) é: fiquemos em casa! Isso significa que a maioria das escolas paralisaram as aulas em decorrência da doença e muitas empresas liberaram office para evitar aglomerações. Com pais e filhos juntos em casa, é preciso muito jogo de cintura para contornar a situação, inclusive para que as crianças não percam o ritmo que vinham ganhando com a escola.

Uma das saídas para isso é organizar uma rotina com atividades pensadas para que o ato de ficar em casa impacte o menos possível na vida do pequeno.

“Para a criança de até seis anos, a rotina traz mais segurança. E, nesse momento, a segurança que a criança precisa não é só física, de não sair para não ter contágio, mas também emocional”, explica Bruna Freitas, psicóloga e gerente de pessoas na Escola da Inteligência.

A especialista também esclarece que a expressão “rotina” pode trazer a ideia de algo muito rígido, mas não deve ser assim, já que o isolamento social já é difícil por si só. O objetivo é que a organização do dia a dia do pequeno o ajude a entender que o período não é de férias e algumas regras precisam ser seguidas.

Só que estabelecer tais limites na prática não é tão fácil quanto na teoria. Por isso, separamos sete dicas de como fazer com que a adaptação das crianças seja mais simples tanto para elas quanto para os pais.

Confira:

1. Inspire-se na rotina que já existia

No mundo perfeito, o ideal seria que horários como o de acordar, almoçar, tomar banho e de dormir fossem mantidos. Mas com todo mundo em casa, fica mais difícil colocar isso prática. Por isso, a psicóloga explica que a melhor saída nessa situação é os pais adaptarem o que for preciso para o mais próximo que os filhos estão acostumados.

Por exemplo, se a criança estuda pela manhã e está habituada a acordar cedo, os pais podem escolher deixá-la dormir só meia hora a mais para tomarem café da manhã juntos sem ninguém sofrer com o sono.

Há também a opção de deixar o pequeno dormir até mais tarde para que os pais consigam adiantar seus trabalhos pessoais. Nessa escolha, a dica é acordar o filho em um horário que seja próximo a de outra refeição que ele está familiarizado, como o lanche da manhã da escola.

A mesma ideia de apostar no que a criança já está acostumada é trazida pela pedagoga Bruna Duarte sobre como inserir as atividades educativas nessa nova rotina dos baixinhos.

“Os pais podem pensar no cronograma que a escola já tem. Por exemplo, na segunda-feira, as crianças fazem artes e trabalham com atividades relacionadas a línguas. Portanto, em casa, os pais fazem uma atividade pintura, de massinha. Já na atividade de línguas, eles leem um livro com a criança ou procuraram um caça-palavras”.

2. Envolva as crianças nas decisões

Além de seguir o que a criança está acostumada, vale também perguntar a ela o que gostaria de fazer naquele dia. As especialistas explicam que essa atitude incentiva a autonomia dos pequenos. Entretanto, é importante que haja atenção dos pais para sempre trazer os filhos para a realidade.

Por exemplo, se você perguntar para uma criança o que ela quer fazer hoje, a resposta pode ser ir à praia. Nessa situação, Bruna Freitas lembra que combinados podem ser um bom jeito de contornar a situação sem frustrar os pequenos.

Isso significa que os pais devem dizer para a criança que é o pedido dela é interessante, mas que não é possível realizá-lo neste momento. Mas eles podem usar a imaginação para recriar o cenário de uma praia na sala de casa. Providencie toalhas, finja que o tapete é o mar e distribua picolés. Pode ser uma brincadeira bem divertida pros menores!

Bruna Duarte também enfatiza que a pergunta do que o pequeno gostaria de fazer também vale para as atividades educacionais, desde que haja uma margem de escolha para ele. Caso contrário, a criança só escolherá brincadeiras.

 

3. A organização com as crianças é diária

Diferente dos adultos que conseguem planejar a semana inteira antes dela acontecer, com as crianças o ritmo é diferente. A psicóloga explica que elas não têm a mesma noção de tempo dos adultos. Isso significa que os pais precisam conversar com os filhos diariamente para lembrá-los do que acontecerá amanhã.

Essa organização é importante para contornar a ansiedade dos dois grupos, além de trazer a sensação de que o dever está sendo cumprido a partir do momento que as tarefas começarem a serem sinalizadas como feitas.

Já a pedagoga dá ideias de como montar o cronograma físico para que o pequeno possa visualizar as atividades do dia. “Na maioria das vezes, crianças com até seis anos de idade não sabem ler. Por isso, não adianta fazer um cronograma por escrito. Pais e filhos podem criar juntos alguns símbolos. Por exemplo, no dia que forem brincar de massinha, fazer um desenho que a represente. No dia que forem ler um livro, fazer um desenho dele”.

A psicóloga complementa a ideia sugerindo que pais usem as famosas cartolinas para montar o cronograma e folheiem revistas junto com os pequenos para que eles possam apontar imagens de atividades que gostariam de fazer.

4. Faça intervalo entre as atividades

Assim como a noção de tempo e espaço é diferente para as crianças, a capacidade delas se manterem concentradas também. Bruna Freitas explica que dificilmente elas ficaram entretidas em uma mesma atividade por mais uma hora e meia, no máximo duas.

Por isso, a ideia é intercalar pequenas movimentações ao longo de uma mesma tarefa. Pode ser comer um lanchinhobeber água ou ir no banheiro. Em tempos de coronavírus, a última situação é uma ótima oportunidade para retornar com a criança a importância de lavar as mãos para se prevenir da doença.

Ainda vale cantar uma música – como “Parabéns pra você!” –  para deixar o momento mais divertido e dar o tempo certinho que é preciso para ensaboar as mãos.

5. Organize um dia diferente para distrair a família

Ainda que seja importante manter a criança dentro do que ela está acostumada, estar em casa por tantos dias também pode ser cansativo para ela.

“Ainda que se mantenha um planejamento na casa, é algo muito diferente para a criança. E quando ela sai da sua rotina habitual, ela tende a sofrer um pouco mais – como estranhar a situação e não se adequar tão bem a essa nova agenda”, explica Bruna Freitas.

Uma forma eficaz de contornar os ânimos ansiosos da família é escolher um dia da semana, principalmente no meio dela, para fazer algo divertido. Pode ser uma sessão de cinema no sofá de casa, uma guerra de bexiga d’água no quintal ou um show em família, com todo mundo fantasiado. É hora de colocar a imaginação para funcionar!

6. Atenção com o uso das telas

Ainda que o momento seja delicado, é preciso que os pais continuem atentos ao uso de telas, como celulares, computadores e tablets. Bruna Duarte afirma que os adultos não podem abrir mão de conferir o que as crianças estão assistindo e quanto tempo estão gastando em frente aos monitores.

Já Bruna Freitas lembra que uma forma saudável de utilizá-los é como auxílio nos momentos de criatividade. Por exemplo, se crianças querem construir um brinquedo, os pais podem assistir com elas um vídeo de inspiração, ou um programa na Netflix ou no YouTube. O mesmo vale sobre algum assunto que estava sendo abordado nas aulas da escola.

7. Relembre a criança sobre a escola

Com o controle da pandemia, a tendência é que as atividades da população voltem ao normal e isso inclui as crianças retornarem à escola. Para que o processo de readaptação seja mais leve, é importante lembrá-las constantemente sobre a instituição.

A psicóloga e a pedagoga aconselham os pais a explicarem que estão fazendo determinadas atividades por causa da escola, ressaltando que é um lugar legal, e que lá eles poderão rever os amiguinhos.

FONTE: https://bebe.abril.com.br/desenvolvimento-infantil/7-dicas-de-como-montar-uma-rotina-com-as-criancas-em-casa/

SITE:  https://bebe.abril.com.br

Vantagens de morar em condomínio fechado

O que você imagina imediatamente ao pensar nas vantagens de se morar em condomínio fechado? Cada vez ganhando mais espaço, os condomínios oferecem excelentes opções para morar ou investir. Conheça 4 principais vantagens de morar em condomínio.

 1 – Segurança e privacidade

Segurança é a primeira palavra que pensamos ao procurar um imóvel. Seja para comprar ou alugar, o proprietário quer ter a certeza de que está em um ambiente que ofereça segurança para seus moradores.

Sistemas de monitoramento por câmeras, vigilância remota, biometria e portarias permanentes são algumas das vantagens de se morar em condomínio fechado. Ainda, pela segurança e facilidades que oferece um condomínio, mais um benefício: poder fazer caminhadas, corridas e até brincadeiras de rua com as crianças, isso porque em condomínios fechados o trânsito das ruas é muito menor do que as ruas normais da cidade.

E ainda, com uma portaria eficiente, entrar e sair de casa torna-se muito mais seguro, pois você não fica sujeito a abordagens indesejadas e por muitas vezes até perigosas. Já pensou ter tudo isso em sua própria casa? Poder viajar e ter a certeza de que seu imóvel está protegido?

Ao lado de segurança, uma das principais vantagens de se morar em condomínio fechado é a privacidade. Afinal, ninguém entra sem sua autorização. A portaria se encarrega de filtrar visitas indesejadas e vendedores para você, diferente de uma casa em ruas abertas.

2 – Melhor custo-benefício

Se colocar na ponta do lápis as despesas com jardinagem, portaria, segurança e lazer, ficará surpreso com o melhor custo-benefício em manutenção de imóveis.

Em um condomínio fechado, é possível obter todos estes serviços, dividindo as despesas entre os moradores.

E, além das vantagens de lazer de um condomínio, grandes empreendimentos geralmente estão em áreas que prometem maior valorização com localização de fácil acesso a todos os pontos da cidade.

Quer mais benefício? As casas em condomínios fechados já são entregues com as devidas liberações e autorizações de prefeitura e órgãos regulamentadores, que garantem a qualidade da estrutura do seu novo lar.

E mais, em condomínios fechados, a responsabilidade de boa pavimentação e iluminação geral do empreendimento ficam a cargo das empresas envolvidas na construção e não da prefeitura. Isso evita que você dependa dos órgãos e dinheiro público para uma boa estrutura, além de ter mais controle na cobrança dessa qualidade, já que você pagou por ela.

No caso de terrenos prontos para construir em condomínios fechados, o proprietário compra o lote já com estrutura de energia, água e esgoto, pavimentação e, muitas vezes, terrenos nivelados, o que gera economia de tempo e custos a quem vai construir do zero.

3 – Lazer facilitado e convivência

Que tal morar em uma casa em condomínio em Nova Lima com toda a estrutura de um clube? Quando se pensa em vantagens de se morar em condomínio não podemos deixar de fora as opções de lazer que o empreendimento oferece. Salões de Festa, Espaço Teen e Kids, área gourmet, áreas verdes, academias, piscinas e muito mais,  tudo isso ao seu alcance.

Gosta de Pilates? Que tal contratar um profissional exclusivo para o condomínio? Ou então, dispor de um bosque ou área de lazer privativa, compartilhada apenas com seus vizinhos? Muitos condomínios organizam uma interessante agenda de eventos. São excelentes oportunidades de lazer e também de relacionamentos.

Conhecer os vizinhos pode se tornar uma boa vantagem de se morar em condomínio. Há tempos que ter uma boa vizinhança vai além de poder compartilhar de uma xícara de café. Ter um vizinho de confiança no condomínio pode ser muito útil no dia a dia.

Desde cuidados com segurança, plantas e pets em uma viagem, como pequenas facilidades, como convivência de crianças e adolescentes, ampliação de sua rede de relacionamentos, até dividir projetos, negócios de comum interesse, festas e conseguir descontos para aquisições de produtos em maior quantidade.

4 – Facilidade de venda e locação

Se avaliarmos pela ótica do investimento, apostar em empreendimentos dentro de condomínios é uma boa dica. Investir em imóveis com interesse em rentabilidade e solidez é uma das formas mais tradicionais e seguras.

Por se tratar de grandes empreendimentos, as construtoras primam por acabamentos de alto padrão, mão de obra especializada e materiais de primeira qualidade. Neste sentido, se seu desejo for alugar ou vender o imóvel futuramente, isso pode ser mais fácil do que imóveis em ruas abertas.

Além de todos os argumentos já apontados, temos mais alguns pontos a destacar.

Para quem deseja vender o imóvel

A localização escolhida para esses empreendimentos é sempre muito bem planejadas, visando a valorização do bairro ao redor, o que consequentemente acarreta na valorização do seu imóvel e mais lucro pra você.

Além da localização, outros fatores valorizam um imóvel, como itens de lazer, padrão e diferenciais construtivos, vantagens de morar em condomínios fechados que já exemplificamos aqui.

Para quem deseja alugar o imóvel

Outra possibilidade bastante rentável é o investimento para locação. Quem procura por locação procura por economia e, resgatando o que já apontamos como benefício, a manutenção compartilhada com demais condôminos pode ser bem mais vantajosa.

Além de de as despesas divididas, a periodicidade tem uma melhor frequência, já que passa a ser de interesse de todos. Tudo isso deixa seu imóvel na frente da corrida entre tantos outros imóveis para locação sendo anunciados no mercado.

FONTE: https://bhbrokersimoveis.com.br/blog/quero-vender/vantagens-de-morar-em-condominio-fechado/

SITE: https://bhbrokersimoveis.com.br

Dengue – O que é, como prevenir e como cuidar

Por Prof. Nathália Duque 

dengue é uma doença infecciosa, febril, causada por um vírus, que é transmitido pela fêmea do mosquito chamado de Aedes aegypti. É considerada um dos principais problemas de saúde pública em todo o mundo.

O que é a dengue?

O mosquito Aedes aegypti é o transmissor da dengue. Ele é de origem africana e chegou ao Brasil quando o país ainda era uma colônia.

Não só transmissor da dengue, esse mosquito também transmite outras doenças como a febre amarela. Esse inseto pica as vítimas durante o dia e coloca seus ovos em água limpa e parada. Ele apresenta várias pintinhas brancas pelo corpo, fazendo com que seja facilmente reconhecido.

O mosquito é típico de regiões urbanas de clima tropical e subtropical, com presença de calor e chuvas. As fêmeas costumam picar o ser humano no começo da manhã ou final da tarde. A fêmea deposita seus ovos em locais com água parada (limpa ou pouco poluída).

Modo de transmissão

A transmissão da dengue acontece através da picada do mosquito Aedes aegyptilembrando que somente as fêmeas são hematófagas, ou seja, alimentam-se de sangue. Portanto, somente elas transmitem o vírus. Sendo assim, esses insetos são os vetores da doença.

Os tipos de dengue

Quando o mosquito da dengue está contaminado com o vírus da doença e pica uma pessoa, a pessoa pode apresentar desde uma dengue inaparente, quando a pessoa está doente e não tem nenhum sintoma, ou a dengue hemorrágica, que pode levar a pessoa à morte.

Sintomas da dengue

Dengue clássica

Na dengue clássica (cerca de 95% dos casos), geralmente o doente apresenta os seguintes sintomas: dores de cabeça; dores nos músculos e nas articulações (juntas); dores na barriga; dores nos olhos; indisposição; enjoos; vômitos; falta de apetite; manchas vermelhas por toda pele e pequenos sangramentos. Raramente é fatal.

Dengue hemorrágica

Na dengue hemorrágica os sintomas iniciais são semelhantes aos da dengue clássica, porém, depois que a febre começa a ceder, a pessoa passa a apresentar queda acentuada de pressão arterial devido a hemorragias, que podem causar a morte.

É importante não ingerir remédios à base de ácido acetilsalicílico e anti-inflamatórios, como aspirina e AAS, pois podem aumentar o risco de hemorragias.

Diagnóstico

Para descobrir se a pessoa está ou não com a doença, deve-se procurar um hospital para atendimento médico.

Provavelmente o médico irá solicitar exames de sangue para verificar se há anticorpos que combatem o vírus causador da dengue, se houver, a pessoa está com a doença. Na dengue hemorrágica também é possível ver uma grande queda na quantidade de plaquetas.

Tratamento

Não existe nenhum tratamento ou remédio propriamente dito para curar a doença, apenas medicamentos que aliviam os sintomas, como a dor e a febre. Deve-se ingerir muito líquido. Os sintomas podem ser tratados com dipirona ou paracetamol.

Prevenção

As prevenções que devem ser tomadas são muitas, a melhor forma de prevenir a doença é combater o mosquito da dengue.

As medidas que são tomadas são diversas, tais como: não deixar água parada em qualquer tipo de recipiente, pois é nessa água que a fêmea deposita seus ovos; para prevenir algumas pessoas colocam sal de cozinha, água sanitária e areia para não acumular água.

Outras formas de prevenções podem ser:

  • Não acumular água nas calhas
  • Não deixar as caixas d’água ou reservatórios sem tampa
  • Não deixar água parada em vasos, latas ou qualquer outro recipiente
  • Usar larvicidas e inseticidas para combater as larvas e os adultos desses insetos
  • Eliminar as poças d’água
  • As garrafas devem estar guardadas de boca para baixo
  • Manter os pneus protegidos da chuva
  • Substituir a água dos vasos por areia

Os ovos do mosquito da dengue sobrevivem a mais de um ano sem sofrerem nenhum dano. É ruim para nós, mas para o mosquito é vantajoso, pois seus ovos sobrevivem até que as chuvas propiciem condições favoráveis para que o ovo se rompa e inicie o seu desenvolvimento.

A dengue na gravidez

A dengue na gravidez é extremamente perigosa e de muito risco. Podendo ocasionar um deslocamento de placenta, devido a diminuição da coagulação sanguínea. A mãe pode vir a abortar o bebê ou ter um parto prematuro.

Além disso, a grávida com dengue pode ter outras complicações, tais como: falência dos rins, comprometimento do fígado, hemorragia e convulsões.

Em casos mais extremos, se a gestante tiver hemorragia, deverá ficar internada no hospital para receber transfusão de sangue, receber soro pela veia e fazer repouso.

Zica

É uma doença causada pelo Zica vírus, que é transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti e é responsável pela epidemia recente de microcefalia no Brasil.

Em relação à Zica também não há vacina ou tratamento específico. O foco está em aliviar os sintomas e inclui repouso, reidratação e paracetamol para febre e dor.

Chikungunya

A febre chikungunya, chamada em português de febre chicungunha, é uma doença provocada por um vírus, que apresenta sintomas semelhantes aos da dengue.

É transmitida pelo mosquito Aedes aegypti e Aedes albopictus. No Brasil, a circulação do vírus foi identificada pela primeira vez em 2004. Felizmente, não provoca complicações hemorrágicas, sendo, portanto, uma infecção menos fatal.

O vírus chikungunya pertence a Família Togaviridae.Os principais sintomas da chikungunya são: febre alta de início rápido, conjuntivite, dor de cabeça, dor muscular, manchas vermelhas na pele, dores intensas nas articulações dos pés e mãos, além de dedos, tornozelos e pulsos.

Os sintomas se iniciam entre dois e doze dias após a picada do mosquito. Não é possível ter chikungunya mais de uma vez.Não existe vacina ou tratamento específico para a chikungunya. Os sintomas são tratados com medicação para febre (paracetamol) e as dores articulares (anti-inflamatórios).

*Natália Duque é Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Referências

CARVALHO, Clarissa Duarte Sales; DE SOUZA, Zaqueu Henrique. Reflexão acerca da incidência dos casos de Dengue, Chikungunya e Zica no Brasil. Anais Colóquio Estadual de Pesquisa Multidisciplinar (ISSN-2527-2500), v. 1, n. 1, 2017.

TEIXEIRA, Maria da Glória; BARRETO, Maurício Lima; GUERRA, Zouraide. Epidemiologia e medidas de prevenção do dengue. Informe epidemiológico do SUS, v. 8, n. 4, p. 5-33, 1999.

CASALI, Clarisse Guimarães et al. A epidemia de dengue/dengue hemorrágico no município do Rio de Janeiro, 2001/2002. Rev soc bras med trop, v. 37, n. 4, p. 296-9, 2004.

FONTE: estudokids.com.br/dengue-o-que-e-como-prevenir-e-como-cuidar/

SITE: estudokids.com.br

Jardinagem para iniciantes: 5 dicas para começar a cuidar de plantas

Quer ter plantas em casa? Essas dicas podem te guiar sobre o que pensar antes de eleger a espécie perfeita para o seu ambiente

Como todos os seres vivos, as plantas merecem cuidados especiais. Pode parecer um pouco complicado manter suas plantinhas vivas, mas garantimos que os benefícios são bem maiores do que as dificuldades. Elas decoram com classe, limpam o ar e promovem o bem-estar de uma só vez.

Para iniciantes, as dicas abaixo vão ajudar a escolher a melhor planta para iniciar um jardim dentro de casa.

1. A planta que cabe na sua rotina

Pode ser que você ame o visual dos cactos, mas, às vezes, as orquídeas se encaixam melhor na sua rotina. É importante perceber os seus hábitos antes de comprar uma plantinha. Há quem se dê melhor com regas regulares do que com aquelas espécies que exigem pouca água. Verifique se as plantas que você tem em mente exigem cuidados diários, semanais ou quinzenais e escolha o que é melhor para você. Dessa forma, você não vai deixá-las morrer com facilidade.

2. Segure as expectativas

Existem várias pesquisas que apontam os benefícios de cada espécie. A babosa, por exemplo, faz parte das receitas de muitos cosméticos e até purificadores de ar. Porém, não deposite muita expectativa nas plantinhas. Além disso, estude sua casa antes de chegar à loja com ideias em mente. É importante posicionar as plantas em um local arejado e que receba uma boa dose de luz natural.

3. Não comece com os vasinhos pequenos

A chance de você esquecer de cuidar de uma planta pequena é bem maior em comparação com as espécies grandes. Além disso, quanto mais delicadas, mais cuidados exigem. Saiba que as raízes maiores oferecem maior chance de recuperação, caso você cometa algum erro.

4. Compre em lojas especializadas

Em lojas maiores, com vários departamentos, pode ser mais difícil encontrar informações precisas. Os estabelecimentos menores, por outro lado, podem até ter um número de espécies limitado, mas é certeza que os funcionários saberão o que é melhor para cada uma.

5. Não tenha medo de perguntar e busque por informação

Caso sua planta comece a murchar, não se desespere em adicionar mais água. Procure alguém que entenda bastante e verifique as informações online. A internet é cheia de dicas, mas tenha certeza de que as recomendações são apropriadas para o local onde você vive, uma vez que o clima afeta diretamente no desenvolvimento natural.

Fonte:https://revistacasaejardim.globo.com/Casa-e-Jardim/Paisagismo/noticia/2019/02/jardinagem-para-iniciantes-5-dicas-para-comecar-cuidar-de-plantas.html

Site: https://www.ecojardimfranquias.com.br/post/2019/11/26/jardinagem-para-iniciantes-5-dicas-para-come%C3%A7ar-a-cuidar-de-plantas

Sete dicas para cuidar dos animais de estimação no inverno

Veterinária ensina melhores horários de passeio, se a tosse é um sinal de alerta e cuidados com a alimentação

A poucos dias do inverno, é bom se preparar para quando as temperaturas caírem, e toda a família merece proteção e cuidados: os bichinhos de estimação também. Nesta época, a incidência das doenças relacionadas ao frio também são vistas nos cachorros e gatos.

“Causadas por vírus e/ou bactérias, esses males levam a crises de tosse semelhante a engasgos, espirros, secreção nasal ou ocular, febre, apatia e falta de apetite”, alerta a veterinária Karina Mussolino, gerente técnica de uma grande rede de pet shops, centros veterinários e de estética do Brasil.

Confira as dicas:

Horário dos passeios

Ao passear com os cães em dias frios, opte por horários mais quentes, principalmente pela manhã e ao meio dia. Para saber se eles estão com frio, é possível notar a patinha mais gelada. Durante a noite, a sensação pode ser pior para os animais.

Proteção contra o frio

Os pets devem ficar em locais protegidos de vento e chuva. Também é importante ter a disposição roupas para cães de poucas pelagem, principalmente, caminhas, edredons e casinhas confortáveis. Gatos gostam de ficar nas janelas, por isso é importante que tenham um espaço mais quente dentro de casa para se abrigarem.

Vacinas em dia

Não somente os filhotes que devem ser vacinados. É importante o tutor manter sempre a carteira de vacinação dos pets em dia. Doenças que lembram a gripe dos humanos por alguns sintomas semelhantes, a tosse canis (em cães) e a rinotraqueite (gripe dos gatos) podem ser graves, por isso o dono deve ficar atento.

Banho em casa e no pet shop

É importante usar água em temperatura morna e lembrar de secar corretamente, uma forma de protegê-lo do frio e da umidade. Se o banho for no pet shop, e a temperatura ambiente estiver mais quente no local, para evitar um choque térmico, é importante dar uma volta pela unidade e aguardar cerca de 30 minutos antes de ir para a rua com o animal. Outra opção é usar a caixa para levá-los até o carro.

Roupas e acessórios

Quanto às roupas, opte por tecidos naturais e estilo que seja confortável aos cães. Nem sempre aquelas mais bonitas, são as melhores. Os movimentos dos bichos têm de ser preservados. Por outro lado, algumas podem causar nós naquelas raças mais peludas.

Baixa umidade

Quando não chove, os cães e gatos apresentam sintomas parecidos com os dos humanos, como coceiras nos olhos, boca seca, dificuldade para respirar e desidratação.  Nesta época, os hospitais veterinários tem uma alta considerável no atendimento a animais com problemas respiratórios, principalmente filhotes, animais idosos e que já convivem com doenças respiratórias. Alguns animais com focinho curto, como o Shi-Tzu, o Pug e os Bulldogs, já têm dificuldade para respirar e acabam tendo o problema agravado. Muitos animais necessitam até de inalação para amenizar os efeitos do ar seco.

Comida em excesso

Assim como os demais membros da família, os pets também comem mais no inverno. Por isso é essencial ficar de olho na alimentação de cães e gatos. Reduzir a oferta de petiscos nesta época do ano, em que o animal muitas vezes fica menos ativo em razão da diminuição dos passeios devido ao frio, a dica é falar com o veterinário para ver se ele indica uma ração light, nem que seja misturada à ração comum.

FONTE: https://www.noticiasdebento.com.br/noticias/seu-pet/sete-dicas-para-cuidar-dos-animais-de-estimacao-no-inverno.html

SITE: www.noticiasdebento.com.br

3 Dicas de Limpeza para ter uma Casa Saudável

Nathanna Alves

Você já pensou em como manter a sua casa mais saudável? Confira nossas dicas de limpeza!

Uma vida saudável é algo que todos nós desejamos – mas, veja bem, a definição de saúde vai muito além da ausência de doenças, já que está relacionada também à qualidade de vida, englobando aspectos mentais e emocionais.

Ir ao médico regularmente e fazer exames periódicos é muito importante. No entanto, é preciso mais. Cuidar da saúde é também ter uma boa alimentação, praticar exercícios físicos e, claro, cuidar do ambiente em que vivemos.

Separamos algumas dicas de limpeza, para você ter uma casa saudável e melhorar sua qualidade de vida! Afinal, casa limpa, gente feliz 🧡

Organize tudo – Nada de acumular!

Você é um acumulador? Muitas vezes temos apego exagerado com as coisas materiais. Na nossa casa, isso pode gerar alguns transtornos não só ocupando espaço, mas também fazendo crescer o lixo, sem que a gente perceba.

Jornais velhos, revistas, livros ou aquela receita que você guardou há muito tempo na gaveta podem ter outro destino, concorda? Separe tudo em caixas, etiquetando o que pode ir para o lixo, o que pode ser doado e o que você vai guardar, mas concentre-se em guardar apenas o necessário. Vale também separar coisas para a reciclagem, assim você ainda ajuda o meio ambiente.

Organizando, você consegue liberar espaços e dar nova utilidade para eles, deixando o ambiente mais leve.

Acabe com os ácaros

Os ácaros são os principais criadores de substâncias causadoras de alergias. Centenas de milhares deles podem viver em roupas de cama, colchões, móveis estofados, tapetes, cortinas, aparelhos de ar condicionado e por aí vai.

Eles se alimentam de material orgânico, ou seja, de células da pele humana morta encontradas na poeira, e se desenvolvem em condições ótimas em ambientes muito úmidos, prejudicando a sua saúde.

Para prevenir a infestação de ácaros, você deve:

1. Limpar o colchão ao menos uma vez por semana. Tire a roupa de cama e, antes de trocar por lençóis limpos, espalhe bicarbonato de sódio pela superfície do colchão. Aguarde meia hora e tire o produto com o aspirador de pó. Sozinho, o bicarbonato já ajuda a tirar manchas superficiais, diminuir a umidade e desinfetar o tecido. O aspirador completa o trabalho, eliminando ácaros e poeira. Faça o mesmo com os tapetes.

2. Ventiladores e ar condicionados também acumulam poeira, então é necessário limpá-los periodicamente.

3. Lave cortinas pelo menos duas vezes por mês

Mantenha uma rotina de limpeza

Administrar uma casa exige planejamento. Com o dia a dia cada vez mais corrido, o ideal é que você monte uma rotina básica de limpeza, para não deixar acumular tarefas no seu tempo livre – afinal, lazer também é saúde 🙂

Se você tem dificuldade de se organizar, existem alguns aplicativos que podem te ajudar, como o Casa em Ordem ou o Organize sem Frescuras. Experimente também a Técnica Pomodoro, que aumenta a produtividade dividindo o fluxo de trabalho em blocos de concentração intensa, conseguindo melhorar a agilidade do cérebro e estimular o foco.

Faça coisas pequenas ao longo da semana: não deixe acumular louça ou roupas espalhadas pela casa. Guardar algo assim que acabar de usar também ajuda na organização geral.

Itens decorativos que ajudam na saúde

Já falamos aqui sobre plantas que ajudam a respirar melhor. Mas não são só as plantas que podem compor o ambiente agregando algo positivo à sua saúde. Alguns objetos unem decoração e utilidade veja só:

–  Algumas luminárias vendidas no mercado, como essas aqui, ajudam a eliminar os mosquitos e os riscos que eles trazem à saúde. Você encontra em diversos modelos, podendo escolher o que mais combine com você e com a sua casa.

– Umidificadores de ar são ideais para amenizar os efeitos causados pela baixa umidade, como ressecamento da retina ocular, problemas de alergias respiratórias, tosses e irritações na garganta. Se você está pensando naqueles aparelhos enormes e barulhentos, pode parar! Existem opções super modernas, que não fazem barulho e você pode incluir até fragrâncias, como essa aqui.

– Aromatizadores de ambiente são ótimos para trabalhar a saúde emocional. Escolher um aroma para a casa traz bem-estar, deixa o ambiente agradável e desperta memórias afetivas. Alguns aromatizadores também funcionam como luminárias que combinam com qualquer ambiente.

FONTE: https://grupoimoveis.com/3-dicas-de-limpeza-para-ter-uma-casa-saudavel/

SITE: https://grupoimoveis.com

Dicas de alimentação para o inverno

Dicas de alimentação para o inverno: confira o que comer no frio

A escolha dos alimentos

No inverno, o corpo gasta mais energia para manter a sua temperatura regular, um dos motivos pelo qual nós nos sentimos mais tentados a comer mais carboidratos, na tentativa de repor a energia. O consumo de massas, fondues e bebidas calóricas quentes é uma consequência do clima frio, mas a frequência do consumo precisa ser regulada para que não haja excessos. Opte por alimentos quentes ricos em nutrientes como gengibre e canela para se esquentar durante o inverno. Além de acelerarem o metabolismo, eles também influenciam na regulação do peso corporal.

Uma das consequências do inverno é a redução de atividades físicas praticadas regularmente. Para compensar essa redução de gasto de energia, faça substituições nas receitas tradicionais para torná-las mais leves. Por exemplo, fazer chocolate quente com cacau e trocar a massa da lasanha por berinjelas são boas alternativas.

Como se alimentar

Uma das maneiras de saciar a vontade de comer durante o frio é aumentar a

quantidade de refeições e diminuir as porções. Dessa forma, o corpo terá a impressão de estar mais saciado, diferente do que acontecerá se ficar longos períodos de tempo sem comer: é provável que você coma mais do que realmente necessita.

Priorize a ingestão de frutas e legumes nessas pequenas refeições, já que o consumo deles reduz no frio. Refogar, cozinhar ou grelhá-las são ótimas alternativas para dias de temperaturas mais baixas. Para as refeições principais, sopas com pouco óleo e carnes magras são boas opções.

Hidratação

A dica mais valiosa para o inverno é

beber muita águaCom o frio, o clima se torna mais seco, a transpiração diminui e nos vemos indo mais vezes ao banheiro, o que aumenta a eliminação de água. Caso não haja reposição suficiente, efeitos como pele, garganta, olhos e nariz ressecados não demorarão a aparecer. Contorne essa situação ingerindo ao menos 2 litros de água por dia.

FONTE: https://www.terra.com.br/vida-e-estilo/culinaria/dicas-de-alimentacao-para-o-inverno-confira-o-que-comer-no-frio,86c0be0626b086bec0bac39aa0f5d067udebcswk.html

SITE: https://www.terra.com.br